Retrospectiva Dharmalog 2012: seleção de 15 posts do ano, de Rubem Alves a Buda, de meditação à solidão [+15]

2012, “o ano em que o mundo não acabou”, certamente foi marcado por algumas experiências e acontecimentos pelo mundo afora, mas dificilmente foi isso que pautou ou marcou a vida de cada um de nós. Nossas experiências íntimas, nossos desafios, os fatos que vivemos em família, com amigos mais próximos, nossas reflexões ao deitar a cabeça no travesseiro, nossos itinerários ao acordar, nossos anseios, dificuldades e caminhos pessoais sempre são mais evidentes e importantes que as eleições para prefeito, que o desemprego na Europa, que a profecia maia, que o STF, que “50 Tons de Cinza“, que o Corinthians, que Sandy, etc — embora esses fatos possam estar mais ou menos conectados a alguns de nós. Então, assim como é difícil dizer quais foram “as principais coisas do ano” em termos generalistas, é igualmente difícil (ou impossível) saber o que cada um dos mais de 300 posts publicados aqui em 2012 disseram a cada um que passou por aqui e leu, já que cada um tem sua vida, seus momentos e seus interesses. Ainda assim, estão listados abaixo 30 posts especialmente selecionados, seja por sua popularidade (mais lidos, curtidos e compartilhados), seja por comentários ou respostas, ou simplesmente por uma seleção do blog.

2012 foi um ano em que o Dharmalog esteve mais presente no Facebook (e felizes por sermos mais de 27 mil participantes lá), que pelo alto grau de visitação passou a ser uma forma importante de informar os leitores sobre novas atualizações e de criar mais conversas e compartilhamentos sobre os conteúdos publicados aqui. Se você tem conta no Facebook e quer estar conectado conosco lá, visite facebook.com/dharmalog e curta a página.

Agradecemos imensamente a todas as pessoas que visitaram e aproveitaram os conteúdos que publicamos neste ano (e nos arquivos dos anos anteriores), e temos uma gratidão redobrada a quem curtiu, comentou e divulgou o blog pelos mares da Internet afora, colaborando para que o Dharmalog seja mais conhecido e quem sabe ajudando mais pessoas em seus vidas a encontrar conteúdos de auto-conhecimento. Um obrigado triplicado a todos que compartilharam conteúdos valiosos diretamente conosco, permitindo que pudéssemos amplificar o alcance de suas dicas – entre essas pessoas generosas estão Pedro Tornaghi, Mirna Grizch, Celio Nunes Leite, Norma de Andrade Cardoso, Yuri Castello, Karla Vaidyaratna Mattos, Maria Popova, Cristiano Richers, Fernando Ruegger, Tiago Soares e muitos outros.

Boa leitura e FELIZ 2013!

OS 10 MAIS POPULARES

1) Falamos de amor e de sermos todos um, mas continuamos produzindo medo, por Adyashanti [VÍDEO] – 315 curtiram

1) Rubem Alves e o que a gente ama: “É na escuta que o amor começa. E é na não-escuta que ele termina.” – 2.246 curtiram

2) Meditação não é tentar ser melhor, é ver claramente o que você é agora: uma clara lição de Pema Chödrön – 1.162 curtiram

3) Novo filme de 3h dos diretores de Matrix é épico que mostra efeitos das ações individuais no passado, presente e futuro [TRAILER] – 1.060 curtiram

4)  Economia Sagrada: 12min para compreender o milagre de uma nova economia, por Charles Eisenstein [VÍDEO] – 504 curtiram

5) As 10 coisas que nós acreditamos que nos farão felizes, mas que não fazem, pelo monge francês Matthieu Ricard – 1.018 curtiram

6) O Livro Tibetano dos Mortos, o filme sobre o clássico budista, narrado por Leonard Cohen e com Dalai Lama e Ram Dass [VÍDEO] – 605 curtiram

7) Bauman e o medo moderno: “o que faz nossos medos particularmente dolorosos, insuportáveis, é a falta de clareza sobre suas causas” – 966 curtiram

8) “Depender dos outros para a libertação é negativo, depender de si mesmo é positivo”, uma lição do Buda – 431 curtiram

9) A função da irritação, do abandono, do medo, da submissão: a visão de Jason Kiddard sobre o que vivenciamos – 482 curtiram

10) Deus, “segundo Ele mesmo”: “Se não podes me ler num amanhecer… Não me encontrarás em nenhum livro” – 537 curtiram

11) O mundo não acabou, e o mundo é maravilhoso: os céus vistos dos Alpes suíços em time-lapse HD (VÍDEO) – 453 curtiram

12) Nosso estado mental normal é um “distúrbio obsessivo compulsivo delusório”: Alan Wallace e o controle da mente – 508 curtiram

13) “Eu só poderia crer em um Deus que soubesse dançar”: Assim Falava o sábio Zaratustra de Nietzsche – 509 curtiram

14) 12 sintomas do “despertar espiritual”: o que (hipoteticamente) acontece com quem acorda pra vida – 1.183 curtiram

15) Pra contemplar [26]: a beleza da Terra e da música num espetacular vídeo-celebração da vida [VÍDEO] – 238 curtiram

//////////

10 POSTS EXTRAS (PORQUE VALEM A PENA)

1) A solidão é a doença do ser do nosso tempo: Thich Nhat Hanh explica a tecnologia e a nossa imensa desconexão [ÁUDIO]

2) “O Jardim Interno Intocado”: Pedro Tornaghi explica o amor latente no coração, intocado por incompreensões e violentações

3) “Nossa covardia, nossa esperteza mundana, nossa ambição, tudo isso quer persuadir-nos a não levar a sério o amor”, Carl Jung

4) Uma intenção para começar o dia: “não se preocupe, VEJA, o que o dia traz, este momento é tudo o que tem”

5) Mesmo se você pudesse parar seus pensamentos, você não estaria meditando: 7 máximas de Yongey Mingyur Rinpoche

6) “A natureza quer que eu faça duas coisas, agir e dedicar-me à reflexão”: Sêneca em Da Tranquilidade da Alma

7) O estresse da infância que compromete a vida adulta: novo livro de Paul Tough mostra como caráter é mais vital que conhecimento

8) E assim surgem os sonhos: Sigmund Freud explica a gênese dos sonhos usando a tese de Schopenhauer

9) Tu vês o mundo que tens feito, mas não te vês como aquele que faz as imagens: os ensinamentos de Um Curso em Milagres

10) A função da irritação, do abandono, do medo, da submissão: a visão de Jason Kiddard sobre o que vivenciamos

//////////

E MAIS 5 (MESTRES DO DHARMA)

1) Uma mensagem de mestre Dogen para “aqueles que vêem a vida mundana como um obstáculo ao Dharma”

2) As 10 Coisas Que Não Devem Ser Abandonadas, segundo as instruções de Gampopa para os praticantes do Dharma

3) Se você for um poeta, verá claramente que há uma nuvem flutuando nesta folha de papel: “interser”, por Thich Nhat Hanh

4) Um pequeno sermão da montanha (mas não aquele) para encontrar o que se busca na vida, por Swami Dayananda

5) O ego é um feixe de memórias, limitado e estático: o sábio Krishnamurti explica a aliança ego-medo-prazer [VÍDEO]

//////////

Assuntos desse conteúdo
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

4 Comentários

  • Dharmalog (Nando),

    Olhando essa retrospectiva, como foi postada, vê-se um magnífico conjunto de orientações/suporte para um continuo caminhar nas trilhas do Dharma, fruto da cuidadosa atenção de seu Administrador e Colaboradores. Um precioso acervo, do qual por ser em doses paulatinas, não dava para ser avaliar a grandeza.

    Aproveito para agradeçer a companhia tida, nos Posts diários do Dharmalog, durante o ano que em breve termina, desejando a todos, o mesmo que havia augurado ao Nando, pelo Natal: “Harmonia – um desejo que reúne todos os outros, sem os quais não haveria”, em 2013.

    Escolhi levar para o próximo ano, um comentário feito por mim mesma (E por que não?: Quero reconhecer o que for o ‘bem’ para mim a onde ele se encontrar. Mesmo em minhas próprias palavras/vivências) ao Post abaixo:

    “As 10 Coisas Que Não Devem Ser Abandonadas“, parte do livro “As Instruções de Gampopa” (The Instrucions of Gampopa”), é o nosso contemporâneo lama budista tibetano Khenpo Karthar Rinpoche,

    “Lindamente abragente (texto)em sua aparente simplicidade. Simples, não fácil!

    Todos os 10 tópicos me falam algo, porém o oitavo me pega pela mão, porque me dá uma visão global do caminho percorrido (4a. coisa) e me inspira com à gratidão aos degraus anteriores, que ainda continuam ali e assim permitindo o meu recomeço, em caso de resvalo…Norma”

    Para que possam – a Gratidão e a Humildade (potencial & limites) – ser presenças constantes nos meus dias e que eu viva-os com alegria. O que almejo para mim é extensivo a todos.

    Boa Sorte, Norma

    P.S.: Grata pela inclusão do meu nome junto ao de pessoas de tanta significância.

    Just me, that’s all I can be.
    Nac♥

    • Norma,

      Rinpoche repete muito a idéia de ensinamentos diferentes para seres diferentes e isso é libertador e invoca compaixão, valor central no Budismo Tibetano. Não é a toa que é o primeiro item. Compreender estágios e seres diferentes (e aceitá-los todos) é automaticamente praticar compaixão, não é?

      A oitava coisa também me fala muito, e sinto de novo como compaixão, auto-compaixão. Compreensão e aceitação dos próprios erros, paciência com o proprio sofrimento, mais inclusão de tudo e menos exclusão de errados ou inapropriados ou o que for que possa gerar aflição, culpa, auto-agressão ou evitação do que é a cada momento. Sem tirar o aprendizado e a consciência.

      É um texto realmente bonito e rico. Lendo agora de novo (e de novo) lembro do trabalho que deu pra traduzir (rs) e do valor que tem, que bom que esteja aqui (também).

      Saudações,
      Nando

  • Nando,
    Sou muito grata a você e demais colaboradores do blog,por disseminarem textos e vídeos TÃO SIGNIFICATIVOS E PROVOCADORES.Eles favorecem vastas reflexões em direção ao autoconhecimento; á melhor compreensão e percepção do sagrado em nossas vidas.São textos que nos apontam infinitas possibilidades para uma necessária autotransformação.OBRIGADA!
    Como o Ano Novo bate á porta, segue, na íntegra, um poema do grande mineiro, Carlos Drumond de Andrade:

    Para você ganhar um belíssimo Ano Novo
    cor do arco – íris, ou da cor da sua paz,
    Ano Novo sem comparação com todo tempo já vivido
    (mal vivido ou talvez em sentido)
    para você ganhar um ano
    não apenas pintado de novo, remendado ás carreiras,
    mas novo nas sementinhas do vir- a -ser;
    novo
    até no coração das coisas menos percebidas
    ( a começar pelo seu interior ),
    novo, espontâneo, que de tão perfeito, nem se nota,
    mas com ele se come ,se passeia,
    se ama, se compreende,se trabalha,
    você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
    não precisa expedir nem receber mensagens
    ( planta recebe mensagens? passa telegramas?)
    Não precisa
    fazer listas de boas intenções
    para arquivá-las na gaveta.
    Não precisa chorar arrependido
    pelas besteiras consumidas
    nem parvamente acreditar
    que por decreto de esperança
    a partir de janeiro as coisas mudem
    e, seja tudo claridade e recompensa,
    justiça entre os homens e as nações,
    liberdade com cheiro e gosto matinal,
    direitos respeitados, começando
    pelo augusto direito de viver.
    Para ganhar um Ano Novo
    que mereça este nome,
    você meu caro, tem de merecê-lo,
    tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
    ms tente,experimente, consciente.
    É dentro de você que o Ano Novo
    cochila e espera desde sempre.
    Abraços.

    • Poema maravilhoso, Graça!

      Obrigado a você por vir aqui e a gente poder conversar sobre essas coisas que gostamos. Uma das coisas boas de 2012 foi manter esse jardim vivo pra gente como nós podermos vir aqui e respirar um pouquinho.

      Um belo 2013 pra você e pra todos que estão lendo! Com muito Dharma(log)! :)

      NAMASTÊ,
      Nando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *