Uma definição de liberdade, não baseada em estados ou condições do que se vive

A liberdade não é um estado, é uma visão profunda sobre a natureza da realidade.
– ADYASHANTI

Neste caso, ela seria (ou é) algo que não precisa ser construído e conquistado, mas descoberto – através da meditação, da contemplação, do insight.

Se ela não é um estado, dizer que estamos livres não seria verdadeiro, somente que somos livres. E que se não nos sentimos ou nos percebemos assim, há um problema de visão, nossa visão não é profunda suficiente e não vê a natureza da realidade.

Naturalmente que ele não está se referindo aqui à prisões físicas (ainda que isso possa ser questionado), mas de prisão psicológica.

Neste caso, a liberdade é o estado natural. Em suas reflexões, Adyashanti costuma abordar temas como “a permissão natural ao que é”, “a paz interior já existente” e “percebendo a consciência imanifesta”, que são maneiras de compreender essa liberdade que é a natureza da realidade.

Contemplemos.

Este post foi escrito por

Sobre o autor Psicoterapeuta Gestalt e jornalista, Nando Pereira é autor do livro "Para Abraçar a Prática" (240pp, 2019) e coordenador da Mentoria de Meditação, "30 dias para transformar sua prática".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *