A indústria quer morder mais a maçã

“So if they want to raise the prices it just means they’re getting a little greedy,” said Steve Jobs. The Apple co-founder and CEO indicated he plans to stand firm. “We’re trying to compete with piracy, we’re trying to pull people away from piracy and say, `You can buy these songs legally for a fair price, but if the price goes up a lot, they’ll go back to piracy. Then everybody loses.”
~ ABC News

Grifo em “greedy” (insaciável, ambicioso) e “fair price” (preço justo, honesto). E grifo também em Apple, a primeira empresa que fez acontecer o mercado de download pago de músicas, abrindo caminho para outros como o Rhapsody e o Napster – hoje propriedade da indústria fonográfica, que demorou séculos para entender o negócio. E ainda não entendeu.

Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

4 Comentários

  • Sinceramente, as gravadoras merecem a pirataria. Não fico com peninha, não. Lembro de uma das minhas primeiras entrevistas, com os caras do Mulheres Negras. O magrinho, Maurício Pereira, disse que se eu quisesse ele gravava um cassete com o disco deles e me dava. “Assim a gravadora não fica com nenhum tostão”, foi o comentário final dele. Recentemente, numa troca de e-mails, ele me recomendou a baixar as últimas músicas dele da internet. Esse é um cara que tá por dentro.

  • Gixx: prometo escrever mais. Acho que fiquei deprimido pq no teu blog não tinha nada. ;)

    Gian: concordo. Pirataria é uma merda, mas é a resposta que os caras estão pedindo, implorando, de joelhos, para fazermos. O Jobs fez milagre ao criar o modelo de negócios do iTunes, agora lá vem os vampiros de novo. Sinceramente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *