O amor em relação: Lama Michel, Tenzin Palmo e Sri Prem Baba falam sobre amar

O amor não é ensinado; é descoberta. A vida é o mestre (guru).
Gangaji

O verdadeiro amor é nada a tirar, nada a adicionar.
Joel Gonzales

Quando te der mais prazer amar do que ser amado, conhecerás o verdadeiro amor.
Alejandro Jodorowsky

Quanto já se falou e escreveu sobre o amor? Quantas músicas já foram feitas com esse tema? Quantos filmes, novelas, seriados, livros, poemas? Quantas flores já foram compradas em nome dele? Quantos presentes já foram dados? Quantas viagens feitas, quantos casamentos, quantas declarações?

Quão importante é o amor em nossas vidas? O quanto nos dedicamos a ele? O quanto buscamos, consciente ou inconscientemente? O quanto amamos? E o quanto apenas pensamos (ou temos certeza) que amamos (sem realmente amar)?

Apesar de todo esse movimento e verborragia em nome dele, o amor parece continuar a ser uma dimensão misteriosa, confusa, virtualizada, rarefeita. Me parece que, como diz Gangaji, descobrir o que é amar é um caminho inequívoco da vida de todo ser humano. Ninguém nasce sabendo, é preciso viver para descobrir e amar. E vamos descobrir vivendo realmente cada situação, descobrindo as possibilidades de cada situação. Descobrindo nossas possibilidades, possibilidades internas. Num mundo da usurpação da palavra amor e do verbo amar, de emojis de corações coloridos, de frases feitas e “te amo”s sem alma, carecemos ainda de muita compreensão genuína do outro e de nós mesmos, de humildade, de carinho, de escuta verdadeira, de atenção inteira, de presença, de menos ilusões e de mais verdades das coisas da vida. De entendimentos e de gestos que não exigem, não mutilam, não forçam, não guardam mágoa, não punem, não sofrem e não fazem sofrer. Será possível isso tudo na vida de um ser humano? Antes de começar, já desistimos.

Mas isso também são só palavras, o amor verdadeiro vive muito além delas.

Abaixo, três vídeos sobre o amor e as confusões que fazemos dele, principalmente no âmbito do relacionamento conjugal — que, como diz Sri Prem Baba, é a “universidade da vida” (se for, como estamos indo?). Mas obviamente que o amor não se restringe, nem se centraliza no relacionamento conjugal, que é apenas uma dimensão dele. E pelos depoimentos e ensinamentos abaixo talvez possamos perceber um pouco disso: o primeiro vídeo é de Lama brasileiro Michel Rinpoche, que trata das diferenças entre “amor, apego e desejo”; o vídeo seguinte traz a monja budista Jetsunma Tenzin Palmo, tratando de “amor romântico e amor verdadeiro”; por último, o próprio Sri Prem Baba, mestre brasileiro fundador do movimento Awaken Love (Amor Desperto), sobre nossa ilusão de “transformar o outro” (para então poder amá-lo). Vê-los e ouvi-los é sempre mais rico que apenas lê-los, principalmente quando se trata de amor.

Eis os três vídeos, todos com legenda em português.

Lama Michel Rinpoche, lama budista, autor de “Grande Amor”:

Jetsunma Tenzin Palmo, monja budista, autora de “No Coração da Vida”:

Sri Prem Baba, mestre Saccha, autor de “Amar e Ser Livre”:

//////////

Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *