Mooji: “não perca tempo, você não tem que ficar o resto da vida procurando”

Existem algumas mensagens que você encontra em praticamente todas as escolas e ouve de todos os mestres ou seres realizados, e uma delas é “não perder tempo” no caminho do auto-conhecimento. Dilgo Kyentse Rinpoche (1910-1991), um dos grandes mestres budistas do Século XX,  dizia para não esquecermos “quão rápido a vida se vai, como um flash de relâmpago no verão ou o aceno de uma mão”, e insistia para que não perdêssemos “um único momento”. Robert Adams (1928-1997), um professor yogue americano também do século passado, conhecido pela mensagem de que “está tudo bem”, também lembrava para “não perdermos tempo com frivolidades”. O grande mestre Zen Dogen (1200-1253) escreveu: “Desperdiçar a passagem do tempo é estar confuso e sujo no flutuante mundo do nome e do ganho”.

Um dos grandes mestres vivos de Advaita, o jamaicano Mooji, também vem enfatizando a necessidade de dedicar tempo a descobrir a verdade, mas sem se perder no caminho, sem ficar buscando pra sempre no que poderíamos chamar de um perambular em círculos por escolas, práticas e mestres infinitamente, numa espécie de “samsara espiritual”. No vídeo abaixo, de onde foi transcrito o trecho abaixo, ele explica a dedicação, o uso do tempo e a necessidade do interesse verdadeiro na busca.

“Muitas pessoas começam (a busca) e nunca vão realmente até o fim. Eles começam e se confundem, vão em outras direções… Aí, você os encontra meses ou anos depois… Você os vê e parece que eles retrocederam. Não há nada neles: não há fogo, atração, presença ou poder. (…) Não perca tempo! Você não tem que passar a vida toda buscando se você tem a oportunidade de encontrar aquilo que procura. Você entende? Isto é auspiciosidade. Isso é dignidade, se quiser definir assim. Eu lhe digo: “Olha, eu escondi dinheiro nessa sala – você não tem dinheiro -, somente nesta sala. Encontre-o e vá.” E, então, eu volto duas semanas depois e você ainda está procurando… Brincando com o telefone… Você não está procurando, você está interessado em outra coisa. Você quer um telefone, você não está buscando. Isso é o que acontece com essas pessoas. Elas não estão realmente buscando. Elas dizem: “a Verdade é tão misteriosa…”, mas isso é uma bobagem. Você é a Verdade, é muito simples. A verdade é que elas não querem saber disso.”
Mooji

Eis o vídeo completo com Mooji — legendas em português disponíveis nos controles  de Closed Captions (CC) e Configurações, na base do vídeo:

//////////

Vídeo: Canal Moojiji (YouTube)
Foto: mooji.org

Assuntos desse conteúdo
,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo capital.

8 Comentários

  • A frase final que ele diz é a mesma sinceridade que vemos quando Maharaj é questionado sobre ele não ficar feliz nunca?! Realmente é gratificante encontrar pessoas assim. Excelente vídeo.

    Agora com relação as pessoas que “morrem na praia” ou “estão ali por mera questão de estar” não vemos isso também nas igrejas e religiões mundo a fora?

    Realmente são rara as pessoas que conseguem compreender a essência da questão.

    Como humanos isso vem a gerar um certo sentimento de tristeza, mas não é tudo isto parte do jogo cósmico? Apesar do comportamento, sabemos que é irrelevante, assim o fluxo do rio segue.

  • Já tenho refletido sobre esta questão. Mesmo o mais honesto e sincero buscador da verdade acaba por se perder no meio de um tão grande emaranhado de ofertas no mercado espiritual. Tantos pretensos mestres, tantos diferentes métodos e caminhos, tantas diferentes linhagens e tradições… que disputam, se contradizem e muitas vezes pretendem ter a exclusividade das chaves do paraíso!!?

    A mensagem essencial até pode ser muito simples. Mas muitas vezes escrevem-se mil páginas para comunicar uma verdade que está apenas em dez ou vinte. Às vezes apenas confundem e atrapalham quem procura ajuda e esclarecimento. Hoje muito daquilo que se escreve sobre “espiritualidade” e “não-dualidade” apenas procura esclarecer e solucionar problemas e confusões que foram criadas precisamente pelos livros e tentativas de expor estas matérias em palavras e conceitos. Não é raro que as palavras apenas consigam multiplicar os problemas que procuram resolver.

    Feliz o buscador que tem a sorte de encontrar o mestre ou o ensinamento que lhe é adequado e eficaz. Por outro lado, esta infindável peregrinação por livros e mestres, talvez seja apenas um adiamento do único caminho que conduz ao esclarecimento e à verdade: decidirmo-nos a estudar e investigar no laboratório sempre disponível da própria mente e do próprio coração! Como declarou Terêncio, escritor romano do século II antes de Cristo, “Sou homem! Nada de humano me é estranho!”. É só quando nos dispomos a aprender por nós próprios, quando não fugimos á nossa própria solidão, é que poderemos estabelecer a relação correta com os livros e mestres.

    Quando sabemos escutar, de toda a gente podemos aprender. Por isso se diz que “quando o discípulo está pronto, o mestre aparece”. Na geografia terrena, um mapa poderá conduzir-nos a um tesouro, mas se calhar, na busca de Deus, primeiro teremos que o encontrar e só depois iremos compreender os mapas que o indicavam.

    • Perfeito, Pedro.

      Boa parte da verborragia do caminho é uma tentativa de espalhar e esclarecer o caminho (vivemos na era do milagre da comunicação), e outra boa parte apenas reflexo dos andarilhos confusos de múltiplos caminhos. Ainda assim, me parece que é um erro quase inevitável. Mas que pode ser encurtado ou expandido. Daí a palavra do Mooji.

      Namastê.

  • Acho que esta frase e esta maneira de pensar vai dar razão ao mundo de hoje. Explico: não acho que perdemos tempo, porque acho que tivemos que passar por isso pra encontrar o nosso caminho e hoje em dia, a ideia de encontrar o que se procura e se possível sem muito esforço e rapidamente é o comum.
    Cada pessoa é diferente, o seu percurso sera também diferente.

    O mundo do auto-conhecimento hoje em dia esta cheio de pessoas à procura de respostas imediatas, fáceis e duradouras.
    O auto-conhecimento é o caminho de uma vida, de uma incarnação.

    “Perder tempo” nesse caminho é um tesouro, pois vai permitir de entrar em contacto com outras verdades que unicamente aquela que vai fazer sentido pra nos. E abrir-nos à tolerância, ao altruísmo, etc.

    Nada é tudo, e tudo é nada. Todos os caminhos (perdidos ou não) existiram por algo e para algo…

    • Oi Laura.

      É uma leitura possível, mas ele deixa claro que a questão principal é o interesse genuíno e não-distraído, e não a troca ou a multiplicidade, ou turismo espiritual. Abrir-se às outras verdades e caminhos, e o altruísmo, como você cita, pra mim são consequências desse interesse e profundidade na (própria) concentrada busca. E as respostas imediatas são justamente seu contrário, a falta de interesse, concentração e profundidade (e também paciência, como você cita).

      No mundo que vivemos realmente pode ser difícil nos mantermos num único trilho, dada as múltiplas fontes e informações que estão sendo transmitidas, mas há que se ter a consciência do próprio caminho, é isso que vejo na fala do Mooji.

      Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *