Chegando à verdade da vida através do caminho que não existe, por Jeff Foster

Holi, The Festival of Colors, India
Holi, The Festival of Colors, India

A Verdade é uma terra sem caminhos“, disse uma vez o célebre filósofo indiano Jiddu Krishnamurti (1895-1986), numa versão mais afiada do que disse o mitólogo Joseph Campbell como citado nesse pequeno texto de Jeff Foster, traduzido abaixo, intitulado “O Caminho“. Basicamente a lógica é simples: se há um caminho para a tal Verdade, então ela não está aqui (em mim e onde eu estou neste momento). Pois se estivesse, para que um caminho? E é essa lógica que Foster, no rastro (caminho?) de Krishnamurti e Campbell, usa para escrever o seu texto sobre o caminho que não é caminho, o caminho que não existe, sobre a iluminação que é a este lugar em que estamos neste momento.

Talvez possamos dizer apenas, paradoxalmente, que a percepção de que não há caminho é o caminho. Talvez. É o despertar da ilusão de que a Verdade não estaria aqui, e que precisaria ser alcançada através de alguma ação, de um fazer, um percorrer, um acumular, etc. Como esse despertar acontece, e para ser uma força benéfica neste evento, é o que provavelmente motiva Jeff Foster a escrever, e motivava Krishnamurti e Cambpell a falarem a seus públicos.

Numa dessas vezes, no dia 2 de janeiro de 1934, Krishnamurti estava em Adyar, na Índia, e falou sobre esse tal caminho para a Verdade. Numa das partes de um discurso longo, ele disse o seguinte: “Quando falam de um caminho para a verdade, isso implica que a verdade, essa realidade viva, não esteja no presente, mas algures na distância, algures no futuro. Ora para mim, verdade é realização, e para a realização não pode haver qualquer caminho. Portanto parece, pelos menos a mim, que a primeira ilusão em que são apanhados é este desejo de garantia, este desejo de certeza, esta interrogação sobre um caminho, uma maneira, um modo de viver pelo qual possam alcançar a meta desejada, que é a verdade. A vossa convicção de que a verdade só existe no futuro distante implica imitação. Quando perguntam o que é a verdade, estão na realidade a pedir que lhes digam o caminho que leva à verdade. Então querem saber qual o sistema a seguir, qual o modo, qual a disciplina, para os ajudar no caminho para a verdade.”

Se a Verdade já está aqui, porque não percebemos? A interrogação serve a um bom propósito, e deve ser respondida por cada um na sua intimidade de percepção e busca. Foster sugere que não há bloqueios para a resposta, e que cada momento é um “ponto de acesso“. Qualquer momento. Como este.

//////////

“O CAMINHO”
Por Jeff Foster
(tradução Luiz Fernando Pereira)

Joseph Campbell disse certa vez:
“Se o caminho à sua frente está claro,
você provavelmente está no (caminho) de outra pessoa”.

Não há um caminho fixo para a iluminação. A iluminação não é um destino, um objetivo, um lugar de descanso ao final de uma longa jornada — essa é a versão da mente para a iluminação. A iluminação é o iluminar de onde você está exatamente agora.

Isso é uma ótima notícia. Significa que ninguém é a autoridade no seu caminho — nenhum professor, nenhum guru, nenhum líder religioso. Significa que ninguém pode lhe dizer o “caminho” certo para você. Significa que você não pode dar errado, mesmo que você pensei que você errou. Significa que nada que aconteça pode jamais te tirar do caminho, porque o caminho é o que quer que aconteça, sem exceção. Ninguém pode tirá-lo do milagre da vida, ou trazê-lo mais para perto dele, por assim dizer, ja que o milagre está a toda volta, já brilha intensamente como cada pensamento, sensação, imagem, sentimento, cheiro, som e como o milagre mais profundo daquele que está consciente disso tudo.

Seja a consciência, brilhando no momento, qualquer que seja seu conteúdo.

Dúvida, medo, tristeza, raiva, confusão intensa — talvez, apenas talvez, estes não sejam nem inimigos nem bloqueios para a iluminação, mas expressões de uma inteligência mais profunda, mesma incompreensivelmente vasta e desperta inteligência que faz nascer as estrelas e move as marés do oceano e envia cada e toda criatura viva à sua jornada paradoxal em direção ao seu próprio ser.

Desperte da estória do tempo e espaço e do progresso em direção a um objetivo, e confie num momento sagrado. Pegue qualquer momento. Qualquer momento mesmo. Este momento. Porque cada momento é um ponto de acesso.

Nunca há nenhum bloqueio — só pontos de acesso.

Você não é alguma entidade separada em uma longa jornada para uma finalização futura.

Você é pura poesia.”

— Jeff Foster

//////////

Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

1 Comentário

  • Muito bom o texto, realmente não existe caminho se o que você quer ja está em você, não existe caminho quando o momento é o agora e o tempo é o presente!
    Só uma pequena observação é que na linha 11 tem um pequeno erro, porque tem um “i” a mais, nada grave.
    A frase está: “Significa que você não pode dar errado, mesmo que você >> pensei << que você errou. "
    Um abraço amigo à todos os colaboradores do site!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *