O clássico “Mente Zen, Mente de Principiante” na voz de Peter Coyote na íntegra no YouTube [26 VÍDEOS]

“Quando nossa mente é compassiva, não tem limites”.
~ Shunryu Suzuki, em “Mente Zen, Mente de Principiante” (pg 20)

Um dos clássicos livros do Zen-Budismo escritos no Ocidente, “Mente Zen, Mente de Principiante” (Zen Mind, Beginners Mind, 1970), do mestre japonês Shunryu Suzuki (1905-1971), tem uma versão em áudio lida na íntegra por Peter Coyote que consta no YouTube numa série de 26 vídeos, que variam de 3 a 9 minutos (apenas o capítulo final tem 14 minutos) e ilustrado com belas imagens do planeta. Infelizmente não há legendagem em português, mas para quem tem fluência no idioma, é uma preciosidade. A obra possui uma versão conhecida em português na tradução de Odete Lara, publicada em 1994 pela Palas Athena (e já mencionada aqui em outra ocasião, no post “Shunryu Suzuki explica a prática Zen de viver como uma fogueira, se consumindo completamente, sem deixar rastros“, de 22/09/2012).

Segue a playlist com os 26 vídeos:

//////////

Assuntos desse conteúdo
, , ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog, terapeuta na Hridaya Terapia (São Paulo) e proprietário do Dharma Office.

5 Comentários

    • Não sabia disso, Lulu, que interessante. Aparentemente muitos tem ligação com ele. Recentemente descobri que a Laurie Anderson, viúva do Lou Reed, também pratica lá literalmente há décadas.

      Gasshô,
      Nando

  • Na realidade li hoje uma entrevista dita rara com Freud no final de sua vida e imaginei que você pudesse dar essa interpretação e visibilidade maravilhosa que só você consegue. Me pareceu boa e cabe bem nos objetivos deste blog, que aliás, sou apaixonada.
    Obrigada pela atenção!

    “É possível, respondeu Freud, que a morte em si não seja uma necessidade biológica. Talvez morramos porque desejamos morrer.
    Assim como amor e ódio por uma pessoa habitam em nosso peito ao mesmo tempo, assim também toda a vida conjuga o desejo de manter-se e o desejo da própria destruição. Do mesmo modo com um pequeno elástico esticado tende a assumir a forma original, assim também toda a matéria viva, consciente ou inconscientemente, busca readquirir a completa, a absoluta inércia da existência inorgânica. O impulso de vida e o impulso de morte habitam lado a lado dentro de nós.”

    Segue o link
    http://www.freudiana.com.br/destaques-home/entrevista-com-freud.html

    • Oi Camila.
      Excelente recomendação, a entrevista inteira é muito interessante, vários assuntos pessoais e profissionais num momento peculiar dos 70 anos dele. Estou criando um post para compartilhá-la, como vc sugeriu.

      Muito obrigado,
      Nando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *