Pra contemplar [45]: uma viagem em stop-motion pela beleza dos nossos vizinhos Peru + Bolivia [VÍDEO HD]

Depois de tantos vídeos em time-lapses HD da Islândia, Noruega, Egito, Veneza, Austrália, Nova Zelândia, etc, estava faltando mesmo um bem feito da América do Sul. “Peru + Bolivia, A Stop-Motion Journey” é uma animação “stop-motion” montada com fotos e vídeos por vários locais dos dois países, entre eles Arequipa, Chivay, Colca Canyon, Cusco, Huacachina, Ica, Laguna Colorada, La Paz, Lima, Machu Picchu (claro), Puno, Salar de Uyuni, Solar de Manana geysers, Termas de Polques e Valles de Rocas. Note o curioso efeito das fotos terem sido batidas com a pessoa parada em sincronia com a música. Perguntado como foi feito o “efeito” da pessoa parada em tantas imagens, o representante da TimeLapse Media (autora do vídeo) respondeu que “você só tem que ser realmente muito muito paciente, e sua modelo também :)“.

A música é “Mexican song“, de Soundroll (que não é uma banda mexicana nem peruana ou boliviana, mas o nome artístico do estúdio do produtor israelense Dmitry Lifshitz).

“Se você quer se transportar para a América do Sul em um instante, aperte Play”.

//////////

Assuntos desse conteúdo
,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog, terapeuta na Hridaya Terapia (São Paulo) e proprietário do Dharma Office.

8 Comentários

  • Sobre viagens, outros países, outros povos, outros lugares. Não coloquei uma determinada ordem e é tão importante o fato, que preferi super adjetivá-lo. Viajar é importante para o processo criativo. Tudo que observamos em um filme, quando você viaja, vê-se as senas ao vivo. Essa sensação é muito importante. Por que tais sensações? Porque o cinema fala para onde caminha o caráter da humanidade. Tudo esta interligado, ali na sena está minha vida, meus anseios, em fim tudo fala da vida na terra, no mundo. Imagens, senas, lugares, objetos, movimentos com intenções conscientes ou não, cujos objetivos seja assegurar uma cultura. Todo me deixa romanticamente extasiado. Veja que nem falei de musica e dança. Caso coloquemos tudo isso no corpo e na mente, aí se transcende.
    Voltando ao tema, pois corro o risco de voar. As viagens levam-nos a absorver os estilos. Viajando, conhecendo outras culturas e modo- vivendis de outras pessoas reformulamos nossos pudores referentes à ousadia. Ocorre certa possibilidade de maior liberdade interior e entregas genuínas. A generosidade brinda o pensamento com a necessária flexibilidade, algo tão necessário para o pensamento assertivo.
    Imaginem um mundo só com um idioma. É justamente esse mundo riquíssimo do: falar, pensar, formas, fatos e essências que nos confere as infinitas possibilidades de criar, primeiro pelas emoções, porque a forma reaviva incessantemente reações antigas, recentes e até futuras. Em síntese, por meio das viagens, acumulam-se informações e experiências que diretamente iram funcionar como assessores da inteligência, pois sabemos o quanto é tão pouco a inteligência para o homem. Ela requer assessores e muito mais. Por meio da viagem, acumulam-se informações e experiências sutis, sensíveis, que me posterior decantação, incorporação com vistas a produzir algo, ao mesmo tempo antigo, recente ou para a vanguarda. Eis o verbo em movimento inovador.

  • Recordar uma dádiva.

    Frederico Maior quando passou a direção da ONU para Cofianam,publicou numa revista importantíssima para a formação em cultura geral chamada Correio da Unesco.Era um periódico que circulava de três em três meses e tratava de um tema no mundo: o êxodo no mundo, o grão no mundo, a dança no mundo, etc.Cada tema trazia a chancela de homens no cacife de Allan Rourrenne,Edgar Morim,Isak Berlin e outros.Voltando a Frederico Maior,o tema do periódico era Viagem. o mais importante revelar é que ele conclui o tema com uma frase que marcaria meu trabalho de intervenção psicopedagógico para sempre,entre tantas outras formas de encantamento de erguimento de pessoas. Frederico após visitar praticamente todo o mundo em sua jornada de trabalho, comenta- depois de visitar tantos países- me dou conta que no final dos tempos os terapeutas estarão perguntando aos seus pacientes, “como estais com Deus e seus vizinhos”.Foi muito curioso que numa reunião de trabalho, fiz tal comentário e depois de uns dias um jovem colega, recém-reformado chegou para o cafe da manha e comentou , muito feliz amigo ontem atendendo um jovem, lembrei-me de tua fala: como estais com Deus e teu vizinho?e o jovem desenvolveu-se muito bem junto comigo na terapia;foi uma grande viagem.Considerando o pragmatismo em voga, fiquei muito emocionado em ver um jovem enaltecer a proposição.Ainda o tem viagem.Abraços a todos.

  • Cícero,

    Recordar é realmente uma dávida e o teu compartilhamento transformou-a em sabedoria acessível a todos.

    Vou dividir contigo uma frase recebida de um amigo há mins.:
    “Unir pessoas, divulgar o que acha justo e isso não é pouca coisa, não! (…) ainda mais quando vivemos numa época de tanto individualismo” JTL
    Grata e Boa sorte, Norma

    P.S.: Os meus vizinhos são ótimos. :) Princ. o de cima, no AGORA …
    Nac?

  • Norma,

    Gostaria de ver a Revista CORREIO DA UNESCO republicada.Digo isto, pela riqueza do material visual e conteúdo.Em 2009 eu coordenava o CIAGO e estava tentando montar um grupo para aplicação de um teste projetivo, capaz de dar um perfil de caráter/personalidade com vista a nortear linhas várias,de intervenção sociopsicopedagógica/disciplinar para jovens; isto para não perder a que são jovens em desenvolvimento, considerando suas peculiaridades. Não foi possível, entre outras variáveis, devido na aplicação os adolescentes revelarem pouco material interno para validar o teste.É com base nesse fato, que com o espaço de 15 anos consecutivos a dificuldade se manteve inalterada.Onde quero chegar? Sobre a importância das artes,da dança, da música, do contato visual com as diversas arquitetônica,conhecimento sobre botânica etc, Tudo que promova na criança, no adolescente um impacto , para que ela se deslumbre com a vida, para formar um mundo visão. Sacia-la de amor e uma visão grandiosa da vida. Referendo aquilo que Carl Seig disse: não devemos matar o cientista que nasce com as crianças, ao manda-las calar a boca quando nos perguntam algo.Peço que olhem minhas colocações como os bastidores da VIAJEM.

    “É cruel uma alma internamente árida,desarquitetada, sem nuances, sem imagens e sobras com miríades de ondulações”.

    • Cícero,

      Primeiro por uma ‘deformação’ profissional, pensei: CIAGO = Centro de Instrução Almirante … (rs). Agora, já sei a que corresponde a sigla. Vc mesmo deu-me as dicas..

      “Sobre a importância das artes,da dança, da música, (…). Sacia-la de amor e uma visão grandiosa da vida.”

      Não vejo como uma utopia. Vejo como a única saída. Mostrar-lhes que nesse mundo muitas vezes totalmente injusto, há muita beleza e é acessível TAMBÉM a elas.

      Não sinto como ‘espetacular’ um guri de 6 anos mexer com desembaraço em seu celular ou uma pequena de 3 anos só usar calçados com saltinhos. E, ao mesmo tempo, apontar: “Olha uma “Knorr” correndo…”, não saber que um grão de feijão pode brotar num pedaço de algodão e virar planta e nunca ter ido ao teatro ver o “Quebra Nozes” – na semana do Natal – a preços populares etc., mas saber várias letras de músicas e ir até o chão…chão…chão, rebolando igualzinho. viu na TV, sob aplausos.

      (sim. eu sei que depois de uma certa idade – tudo fica mais difícil. ‘Todos’ querem ser igualzinhos aos seus pares… Então comecem mais cedo a oferecer um ‘cardápio’ diferenciado – Deem escolha)

      Não sei se vc ainda está na ativa, caso positivo, vc sabe melhor que ninguém, que o despreparo (por “N” razões) começa no próprio Corpo Docente, quanto aos pais a função de criar um outro ser é tão importante, que todos deveríamos ser submetidos a testes vocacionais e aprender a não confundir Responsabilidade com Obrigação, já que “Amor é outra coisa”

      Carl Seig está certo.
      Cícero, é crudelíssimo ser podado em seus talentos, pior anda é nem ter a oportunidade de conhecê-los.

      Semaninha boa, Norma

      P.S.: Porque não republicam a Revista? Alimentos para o ‘cérebro e alma’ são considerados supérfluos (na dieta hiperprotéica de insetos, recém recomendada)? Às vezes, são esses os únicos que realmente sustentam o ‘corpo’ na expectativa de que dias melhores virão… Nac

  • Grato pelas considerações.Ainda estou na ativa.Quanto a revista, tive um contato como prof. Cristóvão e fiz o pedido
    a ele, já que ele é amigo de Frederico Maior. porem não obtive resposta.Sei que a revista é editada na França. Ja ia esquecendo, você foi brilhantante ao dizer que filho é um projeto de vida. Essa fala me encanta,pois atualmente estou atuando em prevenção que é (chegar antes).

    Boa semana também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *