A doença nunca será curada pelos métodos materialistas dos tempos atuais: a visão de Edward Bach

Todo mundo já deve ter ouvido falar, e talvez até se tratado com, os florais de Bach, famosos preparados de essência floral com álcool (ou conhaque de uva) criados pelo médico homeopata, imunologista e bacteriologista britânico Edward Bach (1886-1936), com o objetivo de curar as emoções e as doenças em seu nível mais original. Para conhecer melhor os fundamentos do pensamento que fez Bach criar os florais, segue o texto abaixo, do livro “Os Remédios Florais do Dr. Bach – Incluindo o Cura-te a Ti Mesmo” (1997, Ed Pensamento), onde ele fala das origens das doenças, ataca o método materialista predominante na medicina (até hoje) e registra máximas como “em essência, a doença é o resultado do conflito entre a Alma e a Mente.

A tese é antiga, datada dos Anos 30 (há mais de 80 anos), mas a essência é cada vez mais central no pensamento da medicina alternativa: a de que a doença tem causa imaterial. Apesar das 38 essências criadas por Bach ainda serem alvo de discussões e não terem sua comprovação científica tradicional, campos como a Psicologia e medicinas antigas como o Ayurveda estudam e tratam com embasamento parecido, e a visão de Edward Bach é uma das referências ocidentais modernas mais populares. Em seu texto, ele cita Hipócrates (considerado o pai da Medicina), Paracelso (considerado fundador da Bioquímica) e o próprio Buda Gautama como referências que indicariam o mesmo caminho traçado por ele com seu método.

O objetivo aqui não é criar uma discussão sobre a eficiência ou falta de comprovação dos florais, mas de conhecer as percepções e a visão do homem que o criou, originalmente um médico tradicional com especialização em Imunologia e Bacteriologia, que realizou algumas experiências inéditas em seu laboratório no início do século passado que o levaram a criar medicamentos baseados em essências de flores.

Segue o trecho.

//////////

OS REMÉDIOS FLORAIS DO DR BACH” [TRECHO]
Por Edward Bach

A razão principal do fracasso da medicina moderna está no fato de ela se ocupar dos efeitos e não das causas. Por muitos séculos, a real natureza da doença foi encoberta pela capa do materialismo e, assim, tem sido dadas à própria doença todas as oportunidades de ela propagar sua destruição, uma vez que não foi combatida em suas origens. Essa situação é semelhante à do inimigo que construiu uma sólida fortaleza nas colinas, comandando de lá constantes operações de guerrilha no país vizinho, enquanto as pessoas, ignorando a praça forte, contentam-se em reparar as casas danificadas e em enterrar seus mortos, consequências das ofensivas dos saqueadores. Essa é, em termos gerais, a situação da medicina nos dias de hoje: consertar às pressas os danos resultantes do ataque e enterrar os mortos, sem que se dê a mínima atenção para o verdadeiro reduto inimigo.

A doença nunca será curada nem erradicada pelos métodos materialistas dos tempos atuais, pelo simples fato de que, em suas origens , ela não é material. O que conhecemos como doença é o derradeiro efeito produzido no corpo, o produto final de forças profundas desde há muito em atividade, e, mesmo quando o tratamento material sozinho parece bem sucedido, ele não passa de um paliativo, a menos que a causa real tenha sido suprimida.

A tendência atual da ciência médica, por interpretar erroneamente a verdadeira doença e por fixar toda a atenção, com sua visão materialista, no corpo físico, tem aumentado sobremodo o poder da doença; em primeiro lugar, por desviar a atenção das pessoas da verdadeira origem da enfermidade e, portanto, da estratégia eficaz para combatê-la; em segundo , por localizá-la, no corpo, obscurecendo, assim, a verdadeira esperança de recuperação e criando um enorme complexo de doença e medo, complexo que nunca deveria ter existido.

Em essência, a doença é o resultado do conflito entre a Alma e a Mente, e ela jamais será erradicada exceto por meio de esforços mentais e espirituais.

Nenhum esforço que se destine apenas ao corpo pode fazer mais do que reparar superficialmente um dano, e nisso não há nenhuma cura, visto que a causa ainda continua em atividade e pode, a qualquer momento, manifestar novamente sua presença, assumindo outro aspecto. De fato, em muitos casos a recuperação aparente acaba sendo prejudicial, já que oculta do paciente a verdadeira causa do seu problema, e, na satisfação que se experimenta com essa aparente recuperação da saúde, o fato real, continuando ignorado, pode fortalecer-se.

Uma das exceções para os métodos materialistas na ciência moderna é a do grande Hahnemann, o fundador da homeopatia, que com sua compreensão do amor beneficente do Criador e da Divindade que mora dentro do homem, e por estudar a atitude mental de seus pacientes diante da vida, do meio ambiente e suas doenças, foi buscar nas ervas do campo e nos domínios da natureza o remédio que não apenas haveria de curar seus corpos mas, ao mesmo tempo, elevaria a sua perspectiva mental.

Quinhentos anos antes de Cristo, alguns médicos da antiga Índia, trabalhando sob a influência do Senhor Buda, levaram a arte de curar a um estágio tão perfeito que conseguiram abolir a cirurgia, ainda que, na sua época, ela fosse tão eficiente, ou até mais, que a dos dias atuais. Homens como Hipócrates, com seus ideais grandiosos sobre a cura; Paracelso, com a convicção de uma divindade dentro do homem, e, Hahnemann, que compreendeu que a doença tinha sua origem num plano acima do físico – todos eles sabiam muito sobre a verdadeira natureza do sofrimento e sobre o remédio para ele.

A doença, posto que pareça tão cruel, é benéfica e existe para nosso próprio bem; se interpretada de maneira correta, guiar-nos-á em direção aos nossos defeitos principais. Se tratada com propriedade, será a causa da supressão desses defeitos e fará de nós pessoas melhores e mais evoluídas do que éramos antes. O sofrimento é um corretivo para se salientar uma lição que de outro modo não haveríamos de aprender, e ele jamais poderá ser dispensado até que a lição seja totalmente assimilada.

Vemos que não há nada de acidental no que diz respeito à doença, nem quanto ao seu tipo nem quanto à parte do corpo que foi afetada; como todos os outros resultados da energia, ela obedece à lei de causa e efeito. Certos males podem ser causados por meios físicos diretos, tais como os associados à ingestão de substâncias tóxicas, acidentes, ferimentos e excessos cometidos, mas, em geral, a doença se deve a algum erro básico em nosso temperamento.

As doenças reais e básicas do homem são certos defeitos como o orgulho, a crueldade, o ódio, o egoísmo, a ignorância, a instabilidade, a ambição; e se cada um deles for considerado individualmente, notar-se-á que todos são contrários à Unidade. Tais defeitos é que constituem a verdadeira doença, e a continuidade desses defeitos, persistirmos neles, depois de termos alcançado um estágio de desenvolvimento em que já os sabemos nocivos, é o que ocasiona no corpo os efeitos prejudiciais que conhecemos como enfermidades.

Para se alcançar uma cura completa, não somente devem ser empregados recursos físicos, escolhendo sempre os métodos melhores e mais familiares à arte da cura, mas também devemos lançar mão de toda a nossa habilidade para eliminar qualquer falha em nossa natureza; porque a cura total vem essencialmente de dentro de nós, da própria Alma que, por meio da bondade do Criador, irradia harmonia do começo ao fim da personalidade, quando se permite que assim seja.

(…) Não há objetivo em nos ocuparmos dos fracassos da medicina moderna; demolir é inútil quando não se constrói um edifício melhor e, como na medicina já se estabeleceram as bases de uma edificação mais nova, empenhemo-nos em acrescentar um ou dois tijolos a esse templo. Tampouco pode ser de valor uma crítica negativa da profissão; é o sistema que está fundamentalmente equivocado, não os homens; pois é um sistema pelo qual o médico, por razões unicamente econômicas, não tem tempo para ministrar um tratamento tranquilo e sossegado nem oportunidade para pensar e meditar adequadamente, o que deveria ser a herança dos que devotam sua vida a assistir doentes. Como disse Paracelso, o médico sábio atende a cinco, e não a quinze pacientes num dia – ideal impraticável em nossa época para um médico comum.

A aurora de uma arte de curar mais nova e melhor paira sobre nós. Há cem anos, a homeopatia de Hahnemann foi o primeiro raio da luz matinal, depois de um longo período de trevas, e pode desempenhar um grande papel na medicina do futuro. Ademais, a atenção que se está dispensando no presente momento à melhoria da qualidade de vida e ao estabelecimento de uma dieta mais pura é um progresso rumo à prevenção da doença; a esses movimentos que pretendem levar ao conhecimento das pessoas tanto a relação que existe entre os fracassos espirituais e a enfermidade, bem como a cura que se pode obter através do aprimoramento da mente, estão apontando o caminho por onde devemos seguir rumo à luz de um novo dia, em cujo brilho a escuridão da enfermidade desaparecerá.

//////////

Assuntos desse conteúdo
,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog, terapeuta na Hridaya Terapia (São Paulo) e proprietário do Dharma Office.

6 Comentários

  • O texto está magnifico – é necessario, é urgente que a humanidade tome consciencia dos maleficios que estam a acontece…
    Já partilho desta filosofia há muito tempo e sinto cada vez mais que o futuro -já é o presente…mas a mente humana ainda está muito adormecida infelizmente.
    Fico grata: MR.

  • Texto luminoso, que nos pede para, em vez de fecharmos os olhos para Luz, abri-los.

    Concordo com a MR acima, pois já vejo acontecendo com a Fitoterapia e é questão de pouco tempo para ‘acordarmos’ (O centéssimo macaco?) para eficácia dos Florais, como abortagem de cura antes que o ‘desafio’ chegue à matéria.

    E quem sabe, seja a via para irmos além, despertando o nosso Curador Interno (Quíron?) e acolhendo a nossa Ferida Sagrada para dissolver nossa dor existencial, desenvolvendo nossa ‘metade superior’(dharma) à custa da ‘metade inferior’ (karma), o que nos remete à própria imagem de Quíron, cuja metade superior era representada pelo curador sábio, e a metade inferior, pelo animal ferido.
    Se não fecharmos a porta de acesso a nós das ‘mazelas’, exerceremos uma boa vigilência (rs).

    Enquanto, não for possível assumir responsabilidade integral pela ‘doença’ e sua ‘cura’, procure ajuda externa. Não sofra. Mas assuma a sua responsabilidade no projeto e se veja como nessa frase atribuída a Jesus:

    … És precioso aos meus olhos. Troco reinos inteiros por ti…

    Boa Sorte, Norma

    +++++++++++++++

    “22 Pharmacia Brasileira nº 81 – Abril/Maio 2011
    Fitoterapia,com certeza
    Pelo jornalista Aloísio Brandão,
    Editor desta revista.
    A fitoterapia, ainda que em um ritmo lento,está reescrevendo a história da assistência farmacêutica,no âmbito da atenção básica, em alguns Municípios brasileiros. Assim, os medicamentos fitoterápicos afirmam-se como importante item entre as ofertas terapêuticas e entram definitivamente na rede SUS (Sistema Único de Saúde), sustentados por seus comprovados efeitos terapêuticos e baixos custos para os cofres dos Municípios que os adotam.”
    http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/…022a028_fitoterapia.pdf

  • “Em essência, a doença é o resultado do conflito entre a Alma e a Mente, e ela jamais será erradicada exceto por meio de esforços mentais e espirituais.”

    Faço deste páragrafo, minhas palavras. Concordo plenamente.Texto maravilhoso, perfeito.Obrigada Nando por seu blog. Grande abraço.

  • Essa cura pelos florais não é para o futuro. É para já, agora, para aqueles que estão vendo com olhos bem aberto, o que é a medicina ortodoxa, que mais mata do que cura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *