Um pequeno sermão da montanha (mas não aquele) para encontrar o que se busca na vida, por Swami Dayananda

Quando você olha uma montanha, ela não pede nada nem lhe ameaça. Você pode ser quem você é, à vontade consigo mesmo. Você se aceita na apreciação da beleza da montanha. Você não deseja que a montanha seja diferente, que o local seja diferente, ou que o pico seja diferente. Você diz que a montanha é linda e visita a montanha de novo e de novo. Porém, não é a montanha que você ama, mas você mesmo quando vê a montanha. Na experiência da montanha você vê a si mesmo como uma pessoa satisfeita.

Em qualquer situação atrativa você vê a si mesmo como uma pessoa sem julgamentos. Isso significa que você é capaz de ser uma pessoa sem julgamentos. Se você julga um objeto, você julga a si mesmo. Quando você deixa a montanha ser como é, você também não julga a si mesmo. Como uma pessoa sem julgamentos, você está em harmonia. Se você consegue se relacionar com a montanha dessa maneira, você também pode se relacionar da mesma maneira com qualquer outra pessoa ou situação. Se é possível em uma situação, é possível em qualquer outra situação. Quando você se vê como uma pessoa sem exigências, então você chegou. Isso é o que você procura na vida, no fim das contas. Se você não precisa se provar para ninguém, então você cresceu”.

Swami Dayananda Saraswati, Arsha Vidya Pitham

//////////

Assuntos desse conteúdo
, ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

20 Comentários

  • A visão oriental é perfeita, quando descreve o “Estado de Graça” interior, que nos leva a ver o que é Unicidade.

    Creio que todos já experimentaram esse Estado Búdico (estando ou não apaixonados – rs), por momentos. Em geral, as cores ficam mais brilhantes, mais vivas (os 5 sentidos apurados) e a sensibilidade ampliada. Os recéns-nascidos então, magníficos!

    É no aprender a fazer esse “Agora” eterno, fazê-lo a única opção de escolha no agir, é que emperra. Mas com treino e persistência e sobretudo com Amor (p/si e p/outros) …

    Creio que essa ‘benevolência’, essa auto-estima interior, esse si querer bem, cujo a finalidade é ser compartilhada com o Mundo é atávico a todos os seres, como uma semente dormente e não tem ligação com nenhuma religião específica. É uma questão de nos permitir florescer.

    Mas, tb me lembrei do Renato:
    “quantas chances desperdicei quando o que eu mais queria era provar pra todo o mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém”
    (Quase sem Querer, Renato Russo) – Pisc*
    Boa Sorte, Norma♥

  • “Quem me há valer contra este meu desejo de vingança!” Luis Vaz de Camões.

    Começo a compreender a sua inquietação diante da neutralidade.

    Pois a neutralidade anula a evolução. O atrito é que gera a luz. Esse estado desejável do Bhakti Iogue há de ser passageiro, se considerarmos o caminho que falta percorrer.

    E isto fica muito claro na Frase de JHS quando diz: “a mim pouco importa o que sei, me preocupa o que ainda não sei, porém o que mais me entristece e subjuga é o que ignorarei para sempre”.

    Estados passageiros diferenciados apenas servem como a água, quando da sede, ou do sal quando inecessário.

    Também o senhor da guerra tem lá o seu espaço indispensável.

    Não tem jeito de ser sem o sim e o não, positivo e negativo.
    Mas bendito é o Iogue que respira pelos ossos e encontrou a paz.
    Cada qual com a sua lição adequada a cada situação, mas nada é de fato permanente.

    • Amigo Julio,

      Quem é JHS que vc cita com certa frequência?
      JHS: Monograma de Cristo que significa “Iesus* Hominun Salvator” (Jesus Salvador dos Homens) As letras que vêm inscritas nas hóstias?

      +++++
      Um pouco de atrito na expectativa de Luz – (rs):

      Com tantos sonetos maravilhosos e atuais (apesar de seus mais de 500 anos) falando s/Amor e s/a paciência que certas situações demandam, vc foi escolher do ‘patrício’ um que fala sobre ‘desejo de vingança’?
      Não me aqueceu o coração (como soa ser) e esfriou-me os ossos… Oh, dó! :D

      Na verdade, meu querido, eu. particularmente, não busco uma gama imensa de conhecimentos (Erudição) de chofre. Foco mais em saber se aquilo que assimilo, que trago para dentro (Fé) está sendo praticado por mim, se está sendo vivido no meu cotidiano (Prática). Porque de outra forma, vai me parecer com a definição de Utopia (ando 10 passos, ela se afasta 10 passos). Mas é como você bem disse: Cada um com seu cada qual (e seu tempo)…e o Post de hoje foi exatamente a dose apropriada, para quem como eu quer dominar a arte de se deslocar na terra, antes de alçar voos de longos cursos.
      (Eu quero ter o prazer da viagem. Quero desfrutá-la, sem grandes ansiedades com a chegada).
      Bjo Norma

      Just me, that’s all I can be.
      Nac♥

    • Oi Peter,

      Adoro o teu nome!
      Acho que ninguém pronuncia um “Peter” do jeitinho que eu faço. Ninguém!
      Parece veludo líquido. Merece ser saboreado, degustado a cada vocativo.
      Rola gostoso em minha boca, envolve a minha língua, até explodir entre os meus lábios que relutam em deixá-lo escapar (fica… fica): P e t e r – segurarando o ‘r’ final.. entre os dentes, postegando o desfecho.

      E aí?
      Indevido, inadequado, sem próposito, desconcertante? Encabulou? Corou? Pensou: Ficou doida?

      Pois é, meu caro, é exatamente assim que me sinto quando recebo cumprimentos que não julgo merecer. E nem sempre reajo bem… Desculpa, aê!
      Coisa da infância a ser trabalhada: Deve ser porque enquanto os pais dos amigos brigavam, os meus namoravam no sofá… (rs). Me sentia diferente…por eles se darem tão bem. Trauma! (^.~)

      De qualquer forma, se algo que escrevo aqui nos coments. (tenho umas 20 pessoas do meu círculo de vida + próximo que acompanham o Dharmalog e me conhecem) te desperta o interesse, fico muito alegre de ter alguém pensando/sentindo igual a mim, do outro lado.
      Saia da simples assitência e venha ser o porta voz do teu pensamento nos coments. Divida com todos. Que tal sobre a Meditação Zen, que te interessa?

      Hora do agradecimento: Obrigada, Peter!(*)
      __/\__ gasshô, Peter e Boa Sorte, Norma

      (*) – (…) “mas melhoro por quem merece” – tô aprendendo!

      P.S.: Essa ‘quase’ dupla ______ (complete você) N & N não se conhece.
      Mas tem em comum a sua origem: Via Láctea, Sistema Solar, Third Rock from the Sun (Terra), Brasil, RJ… e divide a sensação de estar “Em Casa”. (eu: às vezes, escorrego, porta a fora!)

      Just me, that’s all I can be.
      Nac♥

    • Nossa!!! Adorei, Norma,um êxtase…
      A propósito, muitas vezes não consigo acompanhar o que escreves aqui,estou aquém de muitos entendimentos e não compreendo muitas das abreviaturas: Pisc., Nac, gasshô…Rssss. Falei!

    • Fala Peter! Vc já leu o livro? :)

      Vou colocar aqui nesse início de ano uma explicação em vídeo do Zazen feita por um Mestre Zen Budista japonês que de vez em quando vem ao Brasil. Essa e talvez outras explicações, apesar delas serem bastante parecidas.

      2013 promete! :)

      NAMASTÊ!
      Nando

  • Sir Juliot (um príncipe |.| os homens)

    1) Obrigada pelo revert.
    Me dê ciência: Como a vida trata os forasteiros aí em TO, aqueles que não são ‘minhocas da terra’ são bem-vindos? Hmmmm! (pensando)
    O Dia D está acontecendo (NOW) no ‘balneário’ do RJ. (3º ciclo do Inferno a contar de quem tenta escapar – para fora). Trilha: “Nós Vamos Invadir sua Praia” – c/o Roger na guitarra e os seus 172 de QI, diretamente da sua suite-master climatizada à 18º graus. (172 = inteligência aplicada no dia a dia – rs).
    ‘Operação chegadinha à praia’: Abortar! Levantar acampamento! Recolher âncoras! Fica pra próxima….A gente se fala, Tchau!

    Alguém aê (também) pensando em Polinésia Francêsa? Nós de Frade e outros. Sei o que é e inde ficam bujarrona e genoa,etc…etc. Velejadora positiva & operante: Oferece-se! :D

    2) Sei alguma coisa sobre Hermés (grafado assim à francesa?) = hermético/ H.Trigestro/caduceu/tábua de esmeralda etc..
    Mas, sou eu quem está num momento: Easy boy, easy!

    Eu quero o fácil (quem vê/faz/entende “o fácil”, para mim é indicador de Maestria, de competência) o pra todos, a edição simplificada, o indicado para os ‘beginners’/Kids, o ‘for dummies’ (leigos), o (des)velado, o que ‘fits all’.

    O meu coração e cerébro votaram e chegaram a um concenso: Não precisa ser complicado para conter verdades.
    Querem a ‘versão aquariana’ dos fatos da Vida – afinal Casa 11 = é o Coletivo, o Grupo (amizades), os sentimentos humanitários né, meu caro?
    A espera do teu livro de 1 PALAVRA SÓ, Boa Sorte!
    Bjo Norma

    (de chapeu de Panamá made in Equador – não tenho 172, mas uso o “Tico & Teco” de fábrica… rs)

    Just me, that’s all I can be.
    Nac♥

    • Norma, vamos corrigir uma falha acima:
      Júpiter Hermes e Saturno, onde disse
      Avô Filho e Pai pela ordem é na verdade no sentido inverso.
      Avô para Saturno, Mercúrio o filho que realiza através do próprio Heremes ou JHS, enquanto Mestre ou Instrutor do Mundo, e Pai, Júpiter; mas como senhor do Sétimo futuro sistema…
      Lembrando que estamos no Quarto.
      kkk nem sei se forasteiro é bem vindo em qualquer lugar… mas Palmas é cosmopolita
      e os que menos somam entre a sua população são os tocantinenses. No mais são brasileiros cuja gênese é acolhedora em qualquer rincão brasileiro. Né não?
      40 graus aqui é inverno rsrsrsrsr

    • Às vezes vocês parecem falar em outra língua… sinto como se estivesse lendo muitas orações dentro de uma mesma sentença, não sei se estão falando do mesmo assunto ou já de outro ou de outro.

      Ainda bem que se entendem! :)

      PS: Não sei se estamos no terceiro, segundo, quinto ou sétimo, me sinto no meu, o único que conheço. Adoraria ter acesso aos outros ou receber direções de onde encontrar esses mapas todos.

      Saudações,
      Nando

  • Norma…

    Eu cantarei de amor tão docemente,
    por uns termos em si tão concertados,
    que dous mil acidentes namorados
    faça sentir ao peito que não sente.

    Farei que amor a todos avivente,
    pintando mil segredos delicados,
    brandas iras, suspiros namorados,
    temerosa ousadia e pena ausente.

    Também, Senhora, do desprezo honesto
    de vossa vista branda e rigorosa,
    contentar me hei dizendo a menos parte.

    Porém, para cantar de vosso gesto
    a composição alta e milagrosa,
    aqui falta saber, engenho e arte.

    Luis de Camões

  • Mais de 500 anos e impecável!

    Cavaleiros Andantes (Solitários ou não) afeitos à Madrigais e campões de Justas, não representam perigo, por mais ‘gentilezas’ cometam.

    O ‘perigo’ habita nos inteligentes…

    Obrigada, Júlio, pelo carinho!
    Boa Sorte, Norma

  • OK Norma, Um pequeno sermão não faz mal a ninguém.
    Talvez clame silêncio.
    Sabe a Norma ou não sabe?
    A cor do pintassilgo não muda a sua espécie.
    Aliás, a riqueza está na variedade de cores
    e também no canto.
    Nenhum canto entretanto de iguala ao rouxinol.
    Voar é sua outra vocação e voa para longe.
    Voarei também daqui e desculpem a língua
    estranha.
    Embora de estranha não tenha nada, devido
    nem o pão, o mais simples dos alimentos precisar farinha,fermento,sal, água e fogo e liberdade para crescer durante a cozedura.

    Obrigado, foi um prazer conviver convosco

  • Para o Peter Tavares:
    +++++++++++++

    “A propósito, muitas vezes não consigo acompanhar o que escreves aqui,estou aquém de muitos entendimentos e não compreendo muitas das abreviaturas: Pisc., Nac, gasshô…Rssss. Falei!”
    +++++
    Peter:
    Quando alguém não te entende… a responsabilidade é sempre de quem fala (ou escreve). Falha na comunicação – rs.rs.rs. risos)

    Pisc* – uma piscadela

    Nac – Norma de Andrade Cardoso

    Gasshô – Gassho é uma palavra japonesa que significa “duas mãos que se juntam”. Esta posição é normalmente conhecida no Ocidente como posição de oração.

    __/\__ (é isso)

    ♥ = ♥ mesmo!
    ++++++++

    Tenho certeza de que está sorrindo agora e pensando: Eu JÁ sabia disso tudo…
    Claro, Moço!

    Que você se faça feliz em 2013!
    (é tua exclusiva responsabilidade cuidar bem do ‘castelo’ onde habitas, que dirá do rei – do teu SER – que está lá dentro e lembre-se a gente só DÁ/irradia o que tem).

    E, brincadeiras à parte, Peter é um grande nome: “eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja.”

    Fique bem!
    Bjo, Norma

    P.S.: No Budismo que pratico, a tua atitude em perguntar, além de muito apreciada, tem um nome que diz tudo: ESPÍRITO DE PROCURA.
    Nac♥

    • Peter,

      Acrescentando a frase que citei antes, agora completa:

      “Eu não mudo por ninguém, mas melhoro por quem merece.”
      — Clarice Lispector

      Você mesmo é sempre um grande e luxuoso motivo – rs.rs.rs.

      Bjo Nac♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *