Os pássaros e o ar, os peixes e o oceano, os cachorros e a “cachorritude”: reflexões de Scott Kiloby sobre nós e a iluminação

“Imagine dois peixes discutindo sobre o que a água é.
Imagine dois pássaros tentando chega a alguma compreensão conceitual sobre o ar.
Imagine o oceano tentando capturar o que molhado significa.
Imagine um cachorro acreditando que precisa entrar num caminho espiritual para alcançar a “cachorritude”.
Imagine dois alienígenas em outro planeta tentando entender o que a vida é.
Você vê a insanidade de toda iluminação? A iluminação significa apenas presença, ser, vivência. As palavras não são as coisas que elas descrevem. Essas palavras estão meramente apontando para essa mesma vida em que você está neste momento.
Toda sua busca por iluminação está ocorrendo na iluminação. Toda sua busca por presença está acontecendo na presença. Sua busca por ser está acontecendo sendo. A busca pela vida está sendo conduzida para a vida ela mesma. Você é o que você está buscando. Você está procurando por Deus com os olhos dele.
Conforme isso é percebido, e só pode ser percebido agora porque a vida é só agora, é percebido que nenhuma palavra, idéia, filosofia, sistema de conhecimento ou guia poderia jamais chegar mais perto d’Isso” do que você está.
“Isso” é tão simples, tão óbvio e tão imediatamente perto que é ignorado assim que procuramos por isso ou assim que você começa a tentar achá-lo em pensamento.”
~ Scott Kiloby, em “Reflections of the One Life

//////////

Foto de Camila Sanabria (licença de uso BY-NC-SA Creative Commons)

Assuntos desse conteúdo
, ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

12 Comentários

    • (provocação tá, Norma, não leve a mal) :)

      Agora é o momento certo… Mas se o momento é a única coisa que há, como poderia ser errado?
      Se o momento é a única coisa que há, e ele é agora, não seria “agora é o momento” uma repetição, como um é um?
      Sobraria assim… o agora é?
      O agora é?

      Namastê.

    • ~~É~~
      O Agora É!

      (Visssh! Agent provocateurm hein?: pura maiêutica socrática) Legal isso ☻

      Namastê
      Norma

      P.S.: NOW – Vendo Tico Santa Cruz citando Osho (‘acredite nas suas experiências’) e se declarando Teísta Agnóstico – Pisc* -, enquanto a Gabi recomenda que ele leia “O Homem Ilustrado”, do Ray Bradbury (que ela citou como sendo do Asimov), enquanto leio o teu coment. e constato o qto a musa da síntese te protege (rs.).
      O ‘agora’ já está de bom tamanho. Sweet dreams…

  • Adorei a publicação! A vida é isso mesmo! Mas acho que gostei mais ainda do que a Norma falou…

    “os cílios estão tão pertos dos olhos e não os vemos”

    Isso é tão real! É como a felicidade esta sempre tnao perto, e vira e mexe não a vemos as vezes acho que grande lance é agreditar na plenituda da vida e viver plenamente cada agora!

  • Lendo essa postagem, gostaria de estar compartilhando um texto de Ken Wilber do livro “Um Teoria de Tudo” para enriquecer a nossa reflexão. Namastê! Segue texto.

    E Tudo Continua Por Fazer

    No final, descobriremos a alegria inerente à própria existência, uma alegria que brota da grande perfeição deste e de todo momento, um todo em si mesmo, uma parte de um todo maior, uma série infinita de todos e partes que fluem em cascatas pela eternidade e voltam, sem carências e desejos, pois estão sempre preenchidos pelo fulgor do agora. A visão integral, servindo ao seu propósito, é finalmente ofuscada pelo esplendor de um Espírito que é óbvio demais para ser visto e está próximo demais para ser tocado. A busca integral finalmente chega ao fim, ao abandonar a sua procura para dissolver-se numa Liberdade radical e numa Plenitude consumada. Renunciamos a uma teoria de tudo para simplesmente ser Tudo, em comunhão com o Todo, em sua consciência infinita que sustenta o Kosmos delicadamente nas mãos. E, então, o verdadeiro Mistério se revela, a face do Espírito sorri secretamente, o sol brilha em nosso próprio coração e a Terra se torna o nosso próprio corpo; as galáxias correm pelas nossas veias, enquanto as estrelas iluminam os neurônios da nossa noite. E nunca mais buscaremos por qualquer teoria que não seja verdadeiramente a nossa própria Face Original.

    • Tão bonito isso, Sandra!
      Eu tb gosto dessa Espiritualidade Integral. Muito Grata.
      Boa Sorte, Norma

      +++++++
      Em 19/03/12 – o Nando colocou outro Post s/o KW, ao qual a Áurea (sdds tuas!) comentou citando Fernando Pessoa e que continua sendo vdd p/mim:
      Qt
      “NINGUÉM JAMAIS SE PERDEU
      TUDO É VERDADE E CAMINHO”
      Unqt

      (Bendito e bem dito, né? – Nac♥)

  • PERCEBO QUE NO MOMENTO EM QUE SE CRIA QUALQUER EXPLICAÇÃO SOBRE O ‘AGORA”, JÁ O PERDEMOS E CRIAMOS A DUALIDADE: O AGORA É —-, COMO PODERÍAMOS APONTA-LO, SENDO QUE ELE SIMPLESMENTE É. NESTA DIMENSÃO NÃO HÁ DUALIDADE, NÃO HÁ TEMPO, PODE-SE ENTENDER DE MANEIRA COGNITIVA, MAS O MELHOR E PERCEBER.

  • Texto muito elucidativo. O que foi dito é simplesmente que o que é agora, deixará de sê-lo no momento seguinte. Nada é perene. Segundo Kundera: “Tudo que é sólido se desmancha no ar”- “A Insustentável leveza do ser”.
    Gostei também do que a Norma disse sobre “os cílios e os olhos” é por aí…Todos os nossos questionamentos e buscas, com as devidas respostas, estão dentro de nós mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *