Seu dharma pessoal: “o caminho para a mais alta expressão de quem você é” (Sally Kempton)

Instrutora de meditação, professora de Filosofia de Yoga e swami por 20 anos em uma ordem Védica na Índia, a americana Sally Kempton é conhecida por seus retiros e workshops onde possibilita às pessoas alcançarem grandes descobertas de vida e de dharma pessoal. Autora do livro “Meditation for the Love of It” e colunista da revista Yoga Journal, Sally explora nesse artigo intitulado “Faça a Coisa Certa” (Do The Right Thing) nosso caminho de vida, ou nosso “dharma pessoal“, e todos as estradas que pisamos em busca da ação correta.

O trecho abaixo foi traduzido do artigo e fala especificamente desse sentido vocacional nato do “dharma pessoal” e da importância de se refletir e buscar o correto caminho na vida.

//////////

FAÇA A COISA CERTA (Do The Right Thing)
Por Sally Kempton, no Yoga Journal (trecho)

“Seu dharma pessoal é o caminho que você segue em direção à mais alta expressão de sua própria natureza e em direção ao preenchimento de seus responsabilidades com você mesmo, com os outros, com a nossa sociedade e com o planeta. No Bhagavad Gita, Krishna fala frequentemente do dharma como algo nato, um chamado da vida que foi dado a cada um de nós e do qual nós temos que dar conta por nós mesmos. Mas ele também usa essa palavra para falar de ação correta, e para a maioria de nós, dharma pessoal se resume à questão mais básica: qual é a coisa certo para eu fazer agora? Ou, dada a minha natureza, minhas habilidades e minhas preferências pessoais, que ações eu deveria realizar para atingir um bem maior?

Frequentemente associamos dilemas do dharma com situações em que nossos desejos estão em conflito com nosso senso de responsabilidade pessoal ou profissional. Mas tão frequentemente quanto isso, nossos conflitos de dharma não são sobre desejos mas sobre responsabilidades que nos competem. Algumas vezes temos que enfrentar escolhas em que não importa o que façamos, alguém vai se machucar.

Mesmo quando a ação correta a fazer é óbvia, você nem sempre pode ser a pessoa certa a realizá-la. (Se você não sabe nadar, pode ser do interesse maior de todos que você não pule no rio para tentar salvar uma criança que se afoga.) A ação correta para você em um dado momento pode não ser a ação correta pra mim. Isso é o que torna a contemplação do dharma pessoal tão exigente e vital.

~ Sally Kempton, instrutora de meditação

Assuntos desse conteúdo
, ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

3 Comentários

  • Como saber se estou no caminho certo no meu dhrama. Muitas vezes tenho duvidas, sobre o que faço, se estou no caminho certo ou não, principalmente quando os acontecimentos esperados não vem ou não acontecem.

    • Oi Ismenia,

      Algumas pessoas podem te ajudar nessa resposta, mas só você vai sabê-la com a certeza que está procurando. O artigo da Sally Kempton é precioso nesse ponto porque tenta expor algumas maneiras para se ter essa certeza na prática, filtrando alguns erros comuns — embora essa busca possa se tornar uma contemplação longa e difícil (principalmente no nosso mundo cheio de atrações e distrações…).

      Uma das lições mais conhecidas de Karma Yoga do Bhagavad Gita é a ação desapegada dos resultados (2.47). É chamado Nishkam Karma, ou algo como “ação sem desejo pessoal” (há interesse, mas não exatamente apego ou condicionamento pelo resultado). Pode ser interessante estudar melhor isso, talvez tenha relação com a parte do seu comentário que diz “quando os acontecimentos esperados não vem ou não acontecem”. Uma ação praticada como parte do dharma pessoal acontece em absorção, sem grandes expectativas (ou, mesmo se há expectativa, não existe apego ao que vem). Se há mais expectativa do que absorção e dedicação no processo, é possível que algo esteja no caminho errado, buscando o resultado ao invés da realização (talvez o ego esteja mais no comando do que deveria…).

      É interessante ler o artigo completo da Sally.

      Um abraço,
      Nando

    • Ismenia, veho que vc fala de acontecimentos esperados que não acontecem. Quando vc mistura sua pratica espiritual com seus desejos, esperanças e medos, e as coisas que vc deseja não se concretizam, vc fica angustiada, achando que está no caminho errado. Todos nós aqui no mundo sofremos com frustrações e esperas. Mas no dia em que vc estiver feliz interiormente mesmo que muita coisa que vc planejou e desejou não saiu como vc queria, aí vc estará no caminho certo, entende? Não perca nunca a sua fé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *