“Sua dor é o quebrar da concha que contém sua compreensão”, por Khalil Gilbran

Um dos magníficos poemas do filósofo e poeta libanês Khalil Gilbran (1883-1931), considerado o terceiro poeta que mais vendeu em toda a história (atrás apenas de Shakespeare e Lao-Tsé*), sobre a dor e o que ela significa. O poema está na mais clássica de suas obras, “O Profeta“, de 1923, em seu capítulo 16, intitulado “Pain” (dor). O livro conta a história do profeta Almustafa, que viveu numa cidade estrangeira chamada Orphalese por 12 anos e está prestes a embarcar em um navio de volta pra casa, quando é parado por um grupo de pessoas com quem discute muitas questões da vida e da condição humana — cada capítulo contém um dos diálogos.

Sua dor é o quebrar da concha
que contém sua compreensão
.

Assim como a semente da fruta deve quebrar-se
para que seu coração apareça ante o sol, deste mesmo modo deveis conhecer a dor.

E se você pudesse manter seu coração no maravilhamento
dos milagres diários da vida, sua dor
não iria parecer menos maravilhosa que sua alegria.

E você aceitaria as estações de seu coração, como sempre aceitastes as estações que passam sobre seus campos.

E você contemplaria com serenidade pelos invernos de sua aflição.

Muito da sua dor é auto-imposta.

É a poção amarga pela qual
o médico dentro de você cura sua alma doente.

Portanto confie no médico, e beba
este remédio em silêncio e tranquilidade:

Porque a mão dele, apesar de pesada e dura, é guiada
pela tenra mão do Invisível,
E a taça que ele traz, embora queime seus lábios,
foi feita com o barro em que o Oleiro
umideceu com Suas próprias lágrimas sagradas.”

~ Kahlil Gibran

[ Foto por paloetic, direitos BY-NC ]
Assuntos desse conteúdo
,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *