“Frank enviou isso”: as crianças fazem ‘errado certo’

A história é contada por Ken Robinson no livro “The Element” e também na sua participação no TED Talk, “Ken Robinson Says Schools Kills Creativity“. Especialista em criatividade e educação, ele conta essa história (verídica) como forma de demonstrar como as crianças são espontâneas, incorrem no erro sem grandes dificuldades e acham uma forma de resolvê-lo.

É mais ou menos assim.

Numa apresentação de Natal feita numa escola britânica, durante a encenação em que os três reis magos aparecem no nascimento de Jesus, três crianças fazem o papel dos reis. Eles entram com toalhas na cabeça e com seus presentes nas mãos, os dois primeiros de maneira bem ensaiada, mas o terceiro parece desligado e meio fora da ordem. O primeiro se abaixo, coloca a caixa no chão e diz: “Eu lhe trouxe ouro“. O segundo faz a mesma coisa e diz: “Eu lhe trouxe mirra“. Então o terceiro, um pouco desinteressado, diz: “Frank mandou isso“.

O que chama a atenção, diz Ken Robinson, é que as crianças se arriscam.

E, particularmente nessa história, existem dois outros elementos fundamentais pra entender o que poderíamos chamar de uma certa “arte perdida da espontaneidade e autenticidade“. Ainda que tenha acontecido uma quebra na atividade do grupo, uma infidelidade à história que era o papel dos 3 alunos, há que se atentar para o lado positivo disso. O primeiro é que o 3º garoto se desconectou das pressões sociais e educacionais por uma performance condicionada, que provavelmente lhe valeria o aplauso dos pais e de todo o auditório, e se manteve fiel ao seu completo desinteresse pela atividade. Isso sem pensar, de maneira natural e ingênua. A segunda coisa que é que ele foi sincero no seu desinteresse, não quis inventar nada nem “tampar” algo que não sabia com uma pose ou algo que pudesse não lhe envergonhar — ele disse apenas o que aconteceu. “Frank enviou isso“. (Frank provavelmente deveria ser o coordenador da apresentação ou algo assim.)

“Não estou dizendo que fazer errado é ser criativo”, diz Ken Robinson. “Às vezes fazer errado é simplesmente fazer errado. Mas nós adultos perdemos a capacidade de fazer isso, de error e de sermos originais. Nós estigmatizamos o erro. E estamos criando sistemas educacionais com esse comportamento, de condenar o erro e a criatividade”.

Assuntos desse conteúdo
, , , , ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

4 Comentários

  • A apresentação do Ken Robinson é realmente genial.

    Sobre a história do “Frank”, acho que a explicação está na história dos reis magos em inglês (en.wikipedia.org/wiki/Biblical_Magi). O incenso que um deles levou de presente é chamado de “frankincense”, que o menino deve ter entendido como “Frank sent”.

    Abs,

    Julio

  • Bingo!

    O cara deve ter dito: diga “Frankinscense”. O garoto: “o quê?” (em inglês, claro). “Frankinscense!”.

    O garoto, que obviou nunca deve ter ouvido falar de “frankiscence” na vida, falou o q deu pra entender. Na verdade, ele deveria ter falado “And i brought you Frank sent this”. ;)

    Valeu, Julio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *