O Silêncio sobre a Arte, e Agora? – III