Causa e efeito, co-originação interdependente: Thich Nhat Hanh explica usando uma mesa e o universo

Este texto foi traduzido e publicado no site da Hridaya Terapia e republicado pelo Dharmalog em redes socias e segue abaixo com uma parte inicial extra, que introduz a diferença entre a interpretação comum do ensinamento de causa e feito e o ensinamento da co-originação interdependente (também chamada de originação co-dependente ou gênese condicionada). É um texto mais simples e claro sobre um tema absolutamente fundamental de escolas como o Budismo, chamado originalmente de Prat?tyasamutp?da (co-originação interdependente): “O Cânone em Pali deixa absolutamente claro que a origem dependente não é um ramo entre tantos outros da doutrina do Buda, mas que se trata do insight radical que se encontra no núcleo dos seus ensinamentos, o insight a partir do qual todo o restante dos ensinamentos foi desenvolvido”, diz Bhikkhu Boddhi no “The Great Discourse on Causation”.

Pratitya samutpada é às vezes chamada de ensinamento de causa e efeito, mas isso pode ser enganoso, porque geralmente pensamos em causa e efeitos como entidade separadas, com causa precedendo o efeito, e uma causa levando a um efeito. De acordo com o ensinamento da Co-originação Interdependente, causa e efeito co-surgem (samutpada) e tudo é um resultado de múltiplas causas e condições… Nos sutras, esta imagem é dada: ‘Três canas cortadas só podem ficar de pé se apoiadas umas nas outras. Se você tira uma delas, as outras duas caem’. Para uma mesa existir, precisamos de madeira, carpinteiro, tempo, habilidade e muitas outras causas. A madeira precisa da floresta, do sol, da chuva e daí por diante. O carpinteiro precisa dos seus pais, do café da manhã, de ar fresco, e por aí vai. E cada uma dessas coisas, por sua vez, tem que ser criada a partir outras condições. Se formos olhar dessa maneira, vamos notar que nada foi deixado de fora. Tudo no cosmos se juntou para nos trazer essa mesa. Olhando profundamente na luz do sol, nas folhas das árvores, e nas nuvens, podemos ver a mesa. O um pode ser visto no todo, e o todo pode ser visto no um”.
— THICH NHAT HANH

//////////

 

Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog, terapeuta na Hridaya Terapia (São Paulo) e proprietário do Dharma Office.

5 Comentários

Deixe uma resposta para Caetano Roberto dos Santos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *