Pra contemplar [48]: uma viagem de 7 minutos pela grandiosidade única e sem palavras do Tibete [VÍDEO]

“No último outono, passei cinco dias explorando o Tibete. Eu queria conseguir reproduzir através dessas imagens e sons o quão maravilhosamente estranha foi essa experiência. Algumas vezes, foi estupenda. Em outras, senti tensão e ansiedade. Vários meses depois e eu ainda não sei completamente como me sinto a respeito. Mas — não há um outro lugar do planeta que eu prefira voltar do que o Tibete”.
~ James Spradlin, autor de “5 Days In Tibet”, filme que segue abaixo

5 Dias no Tibete” (5 Days In Tibet) é um maravilhoso curta de uma viagem de 5 dias realizada em 2011 e sintetizada em 7 minutos sem palavras, apenas com as belas imagens de James Spradlin e a música de Clint Mansell, da trilha sonora do filme “Fonte da Vida” (The Fountain, 2006). Nos comentários do vídeo no Vimeo é possível ver a reação das pessoas às sensações que o filme consegue transmitir, praticamente uma viagem meditativa em silêncio pelas impressões de um país, um povo e uma cultura únicas. Nenhuma palavra consegue fazer o que esses 7 minutos fazem.

//////////

Assuntos desse conteúdo
, ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog, terapeuta na Hridaya Terapia (São Paulo) e proprietário do Dharma Office.

10 Comentários

  • Há um comentário no Vimeo (Felipe Rojas):
    “am impressed with the opening shots, very movie like, specially 00:15 and 00:39; 00:55 is very journalistic and impacting in many ways. I love the way you pause and show the viewers details throughout the film like in the case of 00:27, this shows again your skills in editing.” – Ele fala do que ele entende (seu metoer, provavelmente). Vi que foi com uma Canon.

    Eu coloquei o acima sorrindo, porque qdo eu acabei de ver o filme eu fiquei impactada pela beleza dele. Q

  • CONT./

    Não saberia identificá-la (a beleza) a não ser através desses ‘cortes’ soberbos. Cada quadro virou uma obra de arte. (a música só foi percebida numa 2a sessão).
    Vi sapatos gastos (acho que todos viram) um ‘juzu’ gasto por uso (imagina isso), uma bandeirola enrolada, uma bolsinha de guardar o juzu abandonada na relva em meio à pressa juvenil e o adeus das velas do barquinho encerrando a estadia.

    Fiquei muito impressionada com o resultado da sofisticada técnica e sensibilidade/talento do James e mesmo de maneira amadora, não amei menos que o Felipe.
    Um lindo filme à altura do Tibet. Grata.
    Boa sorte, Norma

    • Oi, Ieldo:
      Às vezes, existindo juntas e simultaneamente.
      Olha, o que o nosso ‘visitante’ ilustre colocou:

      “Antes, em nossa sociedade, podíamos falar de opressores e oprimidos. Com o tempo, notamos que essa categorização não era suficiente, havia que acrescentar mais uma, a de incluídos e excluídos. Hoje em dia, a coisa ficou muito mais selvagem e temos que acrescentar outra antinomia: os que entram e os que sobram. Nesta civilização consumista, hedonista, narcisista, estamos nos acostumando ao fato de que certas pessoas são descartáveis.”
      Papa Francisco

      Livrai-nos (pelo menos) do mal de sermos O descartador… Amém

      Norma

  • Sim, Norma. Não há maior violência do que “ignorar” uma pessoa. A maior tragédia, para nós, é que podemos decidir “descartar” uma pessoa, secretamente, em nosso Coração.

    Isto é um milhão de vezes mais cruel e trará, portanto, uma consequência cármica proporcionalmente maior, do que segregá-la socialmente, culturalmente, etnicamente e economicamente, ou mesmo, humilhá-la militarmente.

    “Livrai-nos (pelo menos) do mal de sermos o descartador”, principalmente em nosso Coração.

    Amém!

    • Oi Adilson,

      Amém!

      Mas ainda vale?: “Meu Deus, afasta de mim os venenos diários de quem não acrescenta, só diminui…”Caio Fernando Abreu

      Pisc* (piscadinha), Bjo Nac

  • Esse curta metragem chegou para mim como passarinho na janela, na minha caixa de entrada de facebook, e foi um presentão para mim, pois não gosto muito dos mantras, música tibetana Cristal Bowl…sei pouco sobre o Tibete, do Idioma antigo sagrado e sua coluna de sutentação para milhares de almas no planeta, o Tibete é para mim algo mais do que a vida simples e devoção mostrada nesse vídeo.Senti a frequência de luz, conduzida pelo solo de violino, no momento minha paixão e dedcação no facebook.Agradeço à Terapeuta Maria o presente dessa manhã.19/08/13,Brasília,Brasil

  • Por gentileza houve um erro de digitação, excluam a palavra não antes da palavra gosto muito dos mantras, adoro os mantras de KWAN YIN cantado por Imee Ooi…Uma das minhas mestras amparadoras na Fraternidade Branca.atc. Mara ,19/08/13.

Deixe uma resposta para Paulo Cesar Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *