“Isso é adestramento canino, não é educação”: novo documentário La Educación Prohibida, íntegra em HD

“O inventor da lâmpada elétrica (Thomas Edison) teve mais de mil tentativas falidas antes de fazer funcionar a lâmpada. Quando um jornalista lhe perguntou o que sentia ao fracassar mil vezes, ele respondeu: ‘Não fracassei mil vezes, a lâmpada elétrica é um invento de mil passos’. Igual a uma descoberta científica, a educação informal é o resultado de um processo profundamente caótico, onde o homem procura uma ordem causal lógica, passando do caos à ordem alternadamente. Mas esta aprendizagem nasce da pergunta no caos, não de uma resposta numa ordem”.
~ trecho de “La Educación Prohibida

Este é apenas um trecho do novo e grande documentário em espanhol La Educación Prohibida, realizado pelo estudante e diretor argentino German Doin, de 24 anos, lançado há dois dias na Internet, e que mostra as deficiências gritantes dos sistemas educativos globais, por diversos ângulos, e explora abordagens e entendimentos mais adequados ao aprendizado verdadeiro e à formação de crianças mais livres e felizes na idade adulta. São dezenas de declarações e sequências com muito teor reflexivo sobre a situação humana atual que se origina desses tipos de educação, como o estilo de confinamento das escolas, o sistema repetitivo e autoritário de ensino (“adestramento canino”), a orientação à competição, a limitação da liberdade de aprendizado e de escolhas, a pasteurização das turmas e tratamentos, a deficiência do amor e a onipresença de provas e testes e os condicionamentos que isso traz, a distorção da noção de disciplina, a pouca atenção à psicologia da participação e da cooperação, a atenção demasiada a métodos e deficiente às pessoas e suas experiências, e mais uma série de temas fundamentais de qualquer escola e aprendizado. Há uma linha e uma abordagem geral adotada por German Doin, às vezes com afirmações bastante específicos sobre o sistema educativo e o ser humano, mas mais do que isso, há a pluralidade de visões e de propostas, uma das principais riquezas deste documentário.

Com a produção de Veronica Guzzo e dois responsáveis por plataformas colaborativas, Franco Iacomella e Cintia Paz, o filme conseguiu 704 coprodutores, a realização de 90 entrevistas e a documentação de 45 experiências educativas, e conta ainda com belas animações instrutivas e dramatizações que ilustram os temas abordados.

O documentário na íntegra em alta definição (HD) segue abaixo, num total de 2h25min (longo, mas vale a pena, nem que seja visto por partes), e antes dele o trailer original de 3min, que dá uma ótima idéia do que o filme trata. Mais informações sobre o filme estão no site oficial, em educacionprohibida.com.

“Escolher o que fazer vai lhe ajudar a se dar conta do que mais necessita escolher. De alguma maneira, os projetos lhe permitem experimentar muitas opções, e, de repente, tem no final de seu processo uma idéia mais clara de si mesmo. A criança vai encontrando caminhos para sua vida futura e tem a certeza de que, seja sapateiro ou seja médico, vai se dar bem; se ela o faz com todo o amor, e toda a arte e toda a entrega possível, me entende?”
~ trecho de “La Educación Prohibida

Abaixo, o trailer de 3min (para ativar as legendas em português, clique no ícone de legendagem na parte inferior do vídeo e selecione o idioma):

Abaixo, o documentário na íntegra, de 2h25min, em HD – para ativar as legendas em português, clique no ícone de legendagem na parte inferior do vídeo e selecione o idioma.

//////////

Assuntos desse conteúdo
,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

12 Comentários

    • Que beleza, bom saber que tem gente boa prestando atenção. :) Claro, Max, foi Thomas Edison. A falha foi minha, porque no filme tá certo, eu que li uma coisa e escrevi outra, desculpe.

      Tá consertado já.

      Namastê.

  • Pretendo ver o filme. Vi apenas o trailer. No entanto vale lembrar que a pedagogia Waldorf é bastante interessante, ela segue na contramão desse “adestramento”.

  • Como Danilo afirmou em seu comentário, eu também ainda não vi o filme; só o vídeo.
    Sou pedagoga e penso que a “Proposta Educacional Waldorf” parte de premissas de Jean Piaget, mas é bem mais ampla. Não sei exatamente se essa liberdade que ele propõe levaria à uma melhor adequação das pessoas à vida moderna,mas depois que tiver visto o filme terei melhores condições de avaliar.Na prática, não é muito fácil…As teorias precisam ser muito testadas e penso que uma amostragem de apenas 45 testes não são suficientes para essa revolução educacional. Creio que o que as escolas precisam lembrar, e os educadores em especial, é que só teremos pessoas realmente felizes se as ouvirmos em seus anseios e respeitarmos suas diferenças,mas não podemos esquecer que precisamos ensinar nossas crianças e jovens a lidar com conceitos de disciplina e ordem, respeito aos deveres e aos demais, para que o mundo seja melhor realmente. Sou adepta das palavras de T.Edson…”A luz não se faz do dia para a noite”.Principalmente, quando se lida com seres humanos.Liberdade exige responsabilidade.Jamais vi “educação” como “adestramento”.

  • Mesmo caso acima: Já tinha visto o trailler antes. Filme, no aguardo disponibilidade tempo.
    Grata pelo Post.
    (agradecendo ter tido Mestres tão inspirados/estimulantes e vocacionados).

    É fundamental – p/mim – que a educação formal ensine ao educando a PENSAR, haja vista, que o que pode ser primordial para toda uma vida, possa surgir de qualquer outra área não-curricular (e com esse critério escolhi escola para filho, entre outros).

    De um dos meus ‘orientadores’ favoritos (Dr. Seuss):

    “Adultos são crianças obsoletas.”
    “É melhor saber como aprender do que saber.”

    Lição por mim re-estudada essa semana, que exemplifica o acima, já que não se originou do Kaikan:
    O colecionador de Copacabana (o marchand romeno Jean Boghici, de 84 anos, um dos maiores colecionadores de arte do Brasil) disse que não está sofrendo por ter perdido milhões (*) no incêndio, mas está triste e revoltado por ter perdido seu gatinho, que dormia ao lado de sua cama.(em todos os jornais e emissoras de TV).
    É uma chacoalhada em todos nós que vivemos numa sociedade capitalista…

    (*) “Samba” (1925), de Di Cavalcanti (avaliado em cerca de 50 milhoes de R$), e “Floresta Tropical” (1938), de Guignard, foram as principais pinturas que se perderam no incêndio que atingiu seu apartamento no edifício da Rua Barata Ribeiro, em Copacabana.

    Boa Sorte!
    Norma

    • Essa frase “adultos são crianças obsoletas” é muito dura, mas faz pensar na verdade que há (nela). Imagino crianças crescendo e parando de se desenvolver pouco-a-pouco, estagnando, até ficarem quase estáticas.

      Esse filme mostra muito isso, condena essas “estacas” que o sistema vai colocando na vida das crianças, os muros, os condicionamentos psicológicos e outras obsolências que atrofiam as novas gerações.

  • Esse vídeo é simplesmente FANTÁSTICO!!! Ele resume em parcas 2h e 25min tudo o que penso(…e já pensei quando criança) sobre educação. Me fez também chegar à conclusão de que não são apenas as escolas que precisam “atualizar”, mas nós Seres Humanos também.
    Obrigada por ter dividido este diamante tão precioso! Ganhei novo fôlego para seguir esse caminho.

  • Por serem assuntos importantes/sérios é necessário serem despidos de humor e lirismo?

    (compartilhando)

    1) http://youtu.be/ebH0syRjIrM

    2)http://youtu.be/DJMzmXpzz4A

    As crianças pequenas (made in Korea) estão tomando ‘consciência’ (aprendendo) do mundo dessa maneira:
    Os protagonistas principais são 2 larvinhas (uma amarela e outra laranja) e moram num esgoto, onde de modo geral o seu predador poderá vir a ser sua comida…. (olha a linguagem de comunicação, tipo: We are part of your life)

    O link 2) é constituido de vários episódios (como é só falado na língua das larvas (rs) – mostrem, também, às crianças pequenas).

    Bjo Norma

    P.S. Lembrei da animação ” Farol ” que ganhou 27 prêmios internacionais e que dá uma grande lição de relacionamento familiar. Eu não consigo assitir à uma animação sem total concentração e disposição para aprender, por mais infantil que pareça ser.

    “O autor é Po Chou Chi, um jovem diretor, natural de Taiwan, radicado em Los Angeles, ele produziu o curta Lighthouse (“Farol”) cheio de sutilezas e simbolismos, o filme trata delicadamente da relação entre pai e filho, do crescimento, de amor e respeito. Mostrando que o fim também é o começo.”
    Fonte: Feito Brasil.

    Bia Sorte!

  • “O inventor da lâmpada elétrica (Thomas Edison) teve mais de mil tentativas falidas antes de fazer funcionar a lâmpada. Quando um jornalista lhe perguntou o que sentia ao fracassar mil vezes, ele respondeu: ‘Não fracassei mil vezes, a lâmpada elétrica é um invento de mil passos’.

    Uma bela mentira que foi desmascarada tempos depois, ele pegou é as ideias de Nikolas Tesla e registrou em seu nome e ganhou todos os louros por isso.
    somente recentemente foi dada a patente a Tesla.

    • Oi Tiago, Tudo bem?

      Você já viu?

      Nikola Tesla Wasn’t God And Thomas Edison Wasn’t The Devil

      http://www.forbes.com/sites/alexknapp/2012/05/18/nikola-tesla-wasnt-god-and-thomas-edison-wasnt-the-devil/

      “It takes a thousand men to invent a telegraph, or a steam engine, or a phonograph, or a photograph, or a telephone or any other important thing—and the last man gets the credit and we forget the others. He added his little mite — that is all he did. These object lessons should teach us that ninety-nine parts of all things that proceed from the intellect are plagiarisms, pure and simple; and the lesson ought to make us modest. But nothing can do that.” –

      (…)

      Boa Sorte, Norma

Deixe uma resposta para Tiago Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *