Os pensamentos vem e vão como um ladrão numa casa vazia: conselhos de Padampa Sangyé

Os pensamentos vem e vão como um ladrão numa casa vazia –
Povo de Tingri*, na verdade não há nada para ser ganho nem perdido.

As sensações não deixam rastros, como desenhos feitos na água;
Povo de Tingri, não perpetuem as enganosas aparências.

Os pensamentos de apego e aversão são como arco-íris no céu;
Povo de Tingri, não há nada neles apra ser pego ou mantido.

Os movimentos da mente dissolvem-se por si mesmos, como nuvens no céu;
Povo de Tingri, na mente não há pontos de referência.

Sem fixação, os pensamentos são liberados por eles mesmos, como o vendo,
Povo de Tingri, que nunca se segura em nada.

– PADAMPA SANGYÉ (em “100 Conselhos de Padampa Sangyé”)

O Povo de Tingri a que o mestre indiano Padampa Sangyé menciona diz respeito a um pequeno povoado no lado tibetano do Monte Everest, onde ele se fixou em boa parte da sua vida no Século XI., e lá morreu. A expressão é uma maneira de se dirigir a eles de maneira carinhosa quando transmitindo seus cem versos, mas simbolicamente representa todos os buscadores da verdade.

Ele está dando uma profunda e ampla aula de ensinamento espiritual, de sabedoria e prática de meditação. Os 100 versos são estudados há séculos por praticantes budistas e pelo povo do Tibet.

Este post foi escrito por

Sobre o autor Psicoterapeuta Gestalt e jornalista, Nando Pereira é autor do livro "Para Abraçar a Prática" (240pp, 2019) e coordenador da Mentoria de Meditação, "30 dias para transformar sua prática".

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *