Como você pode dizer que está tudo bem? O “tudo está bem” de Sri Nisargadatta Maharaj

Em um trecho do seu livro mais famoso, “Eu Sou Aquilo“, o sábio indiano Sri Nisargadatta Maharaj (1897-1981) é perguntado sobre sua consciência a respeito do sofrimento do mundo. “Tudo está bem“, ele responde, seguido de uma explicação. Vivendo numa casa em Mumbai, na Índia, Sri Nisargadatta dava satsangs e respondia a perguntas de alunos e visitantes, e entre elas estavam as que foram traduzidas para o inglês por Maurice Frydman, entre 1965 e 1973 (ano da primeira edição do livro), como estas abaixo, traduzidas para o português. Ao receber a resposta de que “tudo estava bem”, o perguntador não se contém e, indignado, reforça a pergunta: “Como você pode dizer que tudo está bem? Olhe as guerras, a exploração, a batalha cruel entre cidadão e Estado..”.

E quem há de condená-lo? Olhamos o mundo meio século depois e ainda vemos guerras, ódio, intolerância, violência, sofrimento, corrupção e tantas outras coisas. Podemos dizer que está tudo bem?

Mesmo que você desconsidere o termo (o conceito, a realidade ou não de) “Deus” como citado por Mararaj nessa resposta (e esse assunto é sempre delicado), é possível adotar um termo alternativo, como “a existência“. E quando ele diz que “Deus ajuda”, isso pode significar simplesmente uma “lei da existência atua”. E quando fala que Deus estaria “exigindo a restauração” do equilíbrio, isso também pode significar que a “lei da existência é o equilíbrio”, portanto, implicaria em uma força universal tendendo ao equilíbrio. Assim o sentido do que ele diz pode ser basicamente mantido.

O “tudo bem”, no fundo, pode significar apenas que “o funcionamento é este mesmo”. Se alguém ateia fogo em uma casa, ela vai se incendiar. É a consequência. É o que deve acontecer. Esse é o funcionamento. Se não houver isso, a dimensão inteira em que vivemos não funciona. O incêndio pode ser ruim, pode causar sofrimento, mas é o funcionamento. Isso redireciona a questão do “tudo bem” para qual a nossa responsabilidade, individual e coletiva. Qual a nossa liberdade, individual e coletiva. Que caminho temos, individual e coletivamente. E que é conosco mesmo isso tudo..

Veja a resposta de Sri Nisargadatta abaixo:

Pergunta: Você está consciente do imenso sofrimento do mundo?

Sri Nisargadatta Maharaj: Claro que estou, muito mais do que você.

Pergunta: Então o que você faz?

Sri Nisargadatta Maharaj: Olho pelos olhos de Deus e vejo que tudo está bem.

Pergunta: Como você pode dizer que tudo está bem? Olhe as guerras, a exploração, a batalha cruel entre cidadão e Estado…

Sri Nisargadatta Maharaj: Todos esses sofrimentos são feitos pelo homem e está dentro do poder dele acabar com isso. Deus ajuda ao colocar o homem frente a frente com os resultados de suas ações e exigindo que o equilíbrio seja restaurado. O karma é a lei que funciona para a integridade e justiça; é a mão curadora de Deus.

— Sri Nisargadatta Maharaj, “EU SOU AQUILO”, Cap. 9

//////////

Imagem: reprodução de “Number 1”, 1950 (Lavender Mist), de Jackson Pollock.

Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *