A essência da meditação: o coração da prática nas claras palavras de Mingyur Rinpoche

Quantas definições já ouvimos sobre meditação? Mil? Dez mil? Um milhão? Cada tradição, instrutor, mestre, escola de sabedoria, sub-escola, instituto, professor, livro, vídeo, etc, já deu a sua, e às vezes isso mais confunde do que esclarece. Mas esclarecer é uma das especialidades do mestre nepalês de Budismo Tibetano Yongey Mingyur Rinpoche, que explica o que é meditação, qual sua essência e como saber se estamos meditando (ou não) nesse vídeo de 6min abaixo, intitulado “A Essência da Meditação” (The Essence of Meditation) — com legendas disponíveis em português. Não é uma coincidência que Mingyur Rinpoche seja o autor do livro “Turning Confusion Into Clarity” (Snow Lion, 2014), cujo título em português (ainda não editado) seria algo como “Transformando Confusão em Clareza“. Sim, a ótica é budista tibetana, que é a origem do mestre, e é importante conhecer isso, mas ele mesmo tem se dedicado a criar e propagar o que chama de “caminho secular de práticas meditativas“, e assim seus ensinamentos se adaptam. A essência da meditação, diz ele em uma frase simples, é “reconhecer a consciência plena“. Fora desse reconhecimento há muitas experiências que muitas pessoas consideram meditação, mas que são na verdade sub-produtos da meditação. “Mesmo que você não esteja num estado calmo ou relaxado, se você reconhece a presença da consciência, você está em meditação“, ele explica. Veja abaixo um trecho transcrito do vídeo, e, na sequência, o vídeo na íntegra.

“Algumas pessoas dizem: “Ah, eu estou meditando toda hora. Quando ando, eu estou meditando, quando canto, estou meditando, quando cozinho, estou meditando, quando me exercito, eu estou meditando.” Mas por outro lado, algumas pessoas dizem: “Eu quero meditar, mas eu não consigo meditar, eu tenho tantos pensamentos e tantas emoções.” Ou algo parecido com isso. Então há dois extremos aqui. Então o que é a verdadeira meditação? O que faz ser uma meditação? É a consciência plena. A presença da consciência plena. Por isso dizemos: “A essência da meditação é reconhecer a consciência plena.” Então, se a sua mente estiver em paz e calma, ou se estiver relaxada ou não, esta não é a questão. Talvez você não se sinta em paz, ou não sinta um relaxamento, mas se você reconhecer a consciência plena, e tiver a presença da consciência plena, você estará em meditação. Então normalmente há o que chamamos de “a experiência da meditação” e “a meditação”. As experiências da meditação são quando experimentamos paz, alegria, felicidade, bem aventurança, clareza, o estado de mente não conceitual, e assim por diante… Todas estas são experiências da meditação. Mas tudo isso não é a meditação. Tudo isso vem como um subproduto da meditação. Mas o que é a verdadeira meditação? A consciência plena. A presença da consciência plena”. — Yongey Mingyur Rinpoche, em “The Essence of Meditation”

Eis o vídeo, com legendas em português disponíveis nas configurações, com agradecimentos ao Grupo Tergar, que disponibilizou o ensinamento e o vídeo:

//////////

Assuntos desse conteúdo
, ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog, terapeuta na Hridaya Terapia (São Paulo) e proprietário do Dharma Office.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *