Por uma vida longa: a revolução da tecnologia médica pessoal em 3 novos aparelhos para auto-monitoramento

A revolução da saúde e da medicina pessoal está se aproximando cada vez mais com a chegada de projetos que unem a tecnologia de sensores, smartphones e os sites de financiamento coletivo (crowdfunding), como Kickstarter e IndieGogo, e prometem contribuir para uma vida humana mais longa e saudável: os 3 projetos selecionados abaixo mostram como já é possível monitorar índices importantes da saúde pessoal como batimento cardíaco, respiração, oxigênio no sangue, sono (ruído, movimento, ritmo, ronco), temperatura corporal, pressão sanguínea, nível de estresse e vários outros, com aparelhos a preços acessíveis. Um deles, o sensor pessoal chamado Scanadu, foi o responsável pelo maior financiamento coletivo de um projeto de saúde já feito na Internet, chegando a arrecadar mais de um milhão e seiscentos mil dólares (mais de 16 vezes a meta inicial de U$ 100.000).

Com menos de 200 dólares, é possível entrar no grupo de financiamento coletivo e/ou comprar diretamente do fabricante qualquer um dos três aparelhos selecionados abaixo. O Beddit custa U$ 99, o Angel pode ser adquirido por U$135 (embora tenha sido vendido para os primeiros financiadores a U$ 99) e o Scanadu por U$ 199.

A Philips recentemente anunciou um prêmio de U$ 100.000 em conjunto com o Indiegogo para um concurso de Inovação na Saúde, mas o que são U$ 100.000 perto dos U$ 1.600.000 conquistado pelo Scanadu? O Beddit, que ainda está aberto para financiadores, já atingiu sua meta com sobras: pediu U$ 80.000 e já ultrapassou U$ 400.000. O Angel, cujo financiamento termina no próximo dia 1º de novembro, pediu exatos U$ 100.000 e já conseguiu mais de 50% deste valor.

OBS.: Apesar da maravilha e dos avanços que a tecnologia está permitindo à nossa saúde, e com ela à nossa vida (qualidade e longevidade, principalmente), esse avanço é relativo a uma esfera da existência humana e não substitui aspectos do viver e do auto-conhecimento que estão muito além de aparelhos e monitoramentos — e que necessitam nosso desenvolvimento e aprofundamento. Como disse recentemente o filósofo Luis Felipe Condé, não podemos viver num mundo “sob a tutela da obsessão pela felicidade científica calculando calorias”. Dito isto, vamos às maravilhas tecnológicas.

Seguem abaixo os 3 projetos destacados (e depois mais alguns, apenas com os links):

1. SCANADU. “O primeiro tricoder médico”.

O Scanadu Scout™ é um escaneador (como se fosse um estetoscópio) que possui sensores quem lêem sinais vitais e os enviam para seu smartphone, e podem ser compartilhados com seu médico. O monitoramento ativo pode trazer insights em como pessoas, lugares, atividades, comidas, bebidas e medicamentos afetam seu corpo e seus índices. O sensor pode medir batimento cardíaco, temperatura da pele e do corpo, oximetria, taxa respiratória, pressão sanguínea, ECG e estresse emocional.

» Site oficial do Scanadu (scanadu.com)
» Página do Scanadu no Indiegogo.

 

2. ANGEL. “O primeiro sensor de saúde e forma com tecnologia aberta”.

O Angel é uma pulseira que é sensor e monitor ao mesmo tempo, cujo diferencial é ser feito com tecnologia aberta para que programadores possam criar aplicativos e instalar nele. Através de sensores acústicos, óticos, de aceleração e temperatura, o Angel pode medir inicialmente batimentos cardíacos, temperatura da pele, oxigênio no sangue e atividade física (calorias, passos, qualidade do sono, tipo de movimento, etc). A possibilidade que os aplicativos independentes trazem torna a capacidade deste aparelho virtualmente imprevisível.

» Site oficial do Angel (angelsensor.com)
» Página do Angelo no IndieGogo

 

3. BEDDIT. “Monitor automático de sono e bem-estar”.

O Beddit é uma “fita” sensor que é colocada em cima do colchão (embaixo do lençol) e monitora toda a atividade do sono, com capacidades incríveis como: gravar ritmos circadianos (quando dorme, quando acorda), alarme, estrutura do sono (sem movimento, com movimento), respiração, ronco, barulho e luz no ambiente, condição física, batimentos cardíacos, latência do sono (tempo que leva pra dormir), etc. Como o Angel e o Beddit, a quantidade de insights de qualidade e estilo de vida, de saúde, de hábitos e de possíveis necessidades médicas que um aparelho destes permite é enorme.

» Site oficial do Beddit (beddit.com)
» Página do Beddit no Indiegogo

Outros aparelhos semelhantes, alguns deles ainda podem receber investimentos no Kickstarter ou Indiegogo:
» Hexoskin: The first wearable movement, respiration, and heart activity tracker.
» W/Me: Get to know your inner-self
» Misfit Shine: an elegant, wireless activity tracker.
» Remme: sleep mask to help you go in to lucid dreaming.
» Bia: Multi-Sport GPS Sports Watch with SOS Safety Alert.

///////////

Assuntos desse conteúdo
,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo capital.

7 Comentários

    • Eu sou a favor.

      Os sensores são apenas meios externos de a pessoa ficar informada sobre um determinado estado de seu corpo continuamente, é um meio artificial de aumentar sua “consciência corporal”, e está totalmente de acordo com a proposta desse site que fala muito sobre meditação e consciência.

      Uma das formas mais eficientes de meditação é focar a atenção nos seus “sensores” naturais, que são muitos espalhados pelo corpo, mas acho que os sensores eletrônicos podem ser muito uteis também.

      Por exemplo, se pessoa colocar um sensor de temperatura na ponta do dedo e focar a atenção no número ou gráfico que estão no visor, ela conseguirá alterar essa temperatura intencionalmente. E isso vale para qualquer outra variável do seu corpo, como frequência cardíaca, pressão arterial curvatura da coluna, etc. Dessa forma é possível CURAR efetivamente várias doenças e problemas físicos usando apenas a mente.

      Isso se chama “biofeedback” (veja mais em: http://goo.gl/ECaOMX) e já foi extensivamente pesquisado durante muitos anos e teve sua eficácia comprovada.

    • Saudações, Claudinei.

      O que estamos fazendo aqui na Internet, acessando, lendo e aprendendo com tantos textos e áudios e vídeos digitalizados, de uma grande biblioteca real que está acessível virtualmente, de tantos autores e filósofos e mestres, e também o que fazemos com nossas conversas e conexões por bits, senão a mesma coisa? Pois estamos usando aparelhos e redes para promovermos a nossa vida, nossa saúde e nossa consciência.

      Claro que isso não substitui nada, e como está bem claro na observação dentro do post (siga o link do Condé, pois o argumento dele é um pouco mais áspera que o trecho que foi transcrito), ninguém vai ser feliz porque tem sensores no braço. Mas pode viver um ano a mais, evitar um ataque cardíaco, corrigir um hábito, tomar consciência de um comportamento corporal ou mental, e daí em diante.

      Virará robô quem quiser, não quem se harmoniza com a proposta deste blog. Quem busca auto-conhecimento e um pouco mais da verdade do seu interior e do seu redor está tomando o caminho justamente contrário.

      Namastê,
      Nando

    • A proposta acho que é “Conhece a ti mesmo”. Isto inclui nossa mente, nossa energia e nosso corpo. Achei muito valido. Namastê!

  • Caro Nando

    Contrariamente a outros leitores achei a inclusão desta informação, sobre tecnologias associadas à saúde, muito interessante. É necessário lembramos que por razões carmicas muitas pessoas herdam problemas de saude muito graves e tudo o que as possa ajudar a terem melhores condições de vida parece-me positivo.Claro que o uso destes instrumentos não deve tornar-se uma obsessão como aconteceu com outras tecnologias como o telemóvel, mas sim um complemento. A meditação deverá continuar prioritária para o bem estar de qualquer pessoa que tenha um percurso budista e para todas as outras que venham a descobrir o potencial da prática meditativa!
    Obrigada pelo seu trabalho e a informação que proporciona!
    Tashi Delek!
    Manela

    • Obrigado Manela, palavras que carregam a intenção do post. De vez em quando vou trazer algumas coisas de saúde pra cá, como corpo, alimentação, técnicas de cura e coisas mais “terrenas”, digamos assim.

      Tashi Delek!
      Nando

Deixe uma resposta para Claudinei Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *