Estudo de linguagem dá vitória para Obama

Talvez o apoio do general republicano Colin Powell tenha sido o cheque-mate na candidatura John McCain, mas a vitória do candidato democrata Barak Obama talvez já tenha sido anunciada há muito tempo: quando ele escolheu ser mais positivo, centrar sua imagem na mudança futura e ao usar termos como “hope” para sua campanha. Segundo o professor de Psicologia James W. Pennebaker, da Universidade do Texas, um dos maiores especialistas em linguagem e pesquisador de discursos e linguagem que vão dos Beatles ao Al Qaeda, dá pra prever até as diferenças de estilo de governo com base na linguagem expressa. No seu excelent blog WordWatchers, o prof. Pennebaker faz uma verdadeira devassa nos principais eventos da eleição americana, contando até pronomes usados nos debates e fazendo soma de palavras que expressam conjuntos semelhantes de emoção. Recentemente ele foi assunto de uma ótima matéria no The New York TimesHe Counts Your Words (Even Those Pronouns) – que também é muito interessante e analisa, entre outras coisas, os hábitos dos mentirosos e as expressões mais usadas por doentes que se curam mais rápido. Trecho de uma análise sobre as atuais eleições americanas, que dão vantagem a Obama por sua linguagem:

(…) the degree to which candidates express optimism and positive emotion is linked to electability. We have found this as well. Bill Clinton and George W. Bush used more positive emotion words and future tense verbs than any of their rivals in the presidential debates and interviews. No other language dimensions have predicted voter preferences as well.
~ James W. Pennebaker, The Meaning of Words: Obama vs McCain

Assuntos desse conteúdo
, ,
Escrito por

Jornalista autor do Dharmalog e terapeuta na Hridaya Terapia, em São Paulo.

3 Comentários

  • O estudo é sobre um material relativamente abstrato, ou ao menos abstrato para conseguir prever o resultado de uma eleição, mas se você leu os posts inteiros viu que o estudo analisa os resultados e traça paralelos bem objetivos, em com base em números reais. Como os da eleição de W Bush.

    O título do post tá certo: quem deu a previsão da vitória foi o estudo, não as eleições. A vitória oficial que dá só mesmo as eleições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *